Meus outros blogs:

sábado, 30 de abril de 2016

Earth Festival em Monsanto


Arco e Flecha.
Mina de água e Monsanto. 
Saber o significado de "alfacinha".
Comida ética, vegan com lavagem da louça.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Dia Mundial da Dança

Dia Internacional da Dança ou Dia Mundial da Dança comemorado no dia 29 de abril, foi instituído pelo CID (Comitê Internacional da Dança) da UNESCO(Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) no ano de 1982.[1]
Ainda é uma efeméride nova e até mesmo desconhecida para muita gente, pois começou a ser realmente lembrada no Brasil nestes últimos anos. Cada vez mais, no entanto, artistas e profissionais da área reconhecem que é importante celebrar a data para, inclusive, dar maior visibilidade à dança, lembrar-se de sua importância e de suas demandas.
Ao criar o Dia Internacional da Dança a UNESCO escolheu o 29 de abril por ser a data de nascimento do mestre francês Jean-Georges Noverre (1727-1810). Ele ultrapassou os princípios gerais que norteavam a dança do seu tempo para enfrentar problemas relativos à execução da obra. Sua proposta era atribuir expressividade a dança por meio da pantomima, a simplificação na execução dos passos e a sutileza nos movimentos. Noverre se destaca na história por ter escrito um conjunto de cartas sobre o balé de sua época, “Letters sur la Danse”.
Por coincidência, entre os brasileiros a data também pode estar associada ao aniversário de uma personalidade de indiscutível importância: Marika Gidali, a bailarina que, com Décio Otero, fundou o Ballet Stagium em 1971 em São Paulo, para inaugurar no Brasil uma nova maneira de se fazer e apreciar dança.
O Dia Internacional da Dança é importante como mais um espaço de mobilização em torno deste assunto. Alguns dos objetivos desta comemoração é aumentar a atenção pela importância da dança entre o público geral, assim como incentivar governos de todo o mundo para fornecerem melhores políticas públicas voltadas à dança.
Enquanto a dança tem sido uma parte integral da cultura humana através de sua história, não é prioridade oficial no mundo. Em particular, o professor Alkis Raftis, então presidente do Conselho Internacional de Dança, disse em seu discurso em 2003 que "em mais da metade dos 200 países no mundo, a dança não aparece em textos legais (para melhor ou para pior). Não há fundos no orçamento do Estado alocados para o apoio a este tipo de arte. Não há educação da dança, seja privada ou pública".

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Um anjo na Terra - Highway to Heaven

Michael Landon sabia como contar uma história, ele era perito em mostrar histórias familiares com algum drama mas também com algum humor e que no final nos deixavam a sentir bem, mesmo sem termos feito nada a não ser ver o episódio de uma das séries dele.

Um Anjo na Terra (Highway to Heaven) estreou nos Estados Unidos da América em 1984 e mostrou-nos um Michael Landon mais velho, depois o termos visto como um rapaz novo em Bonanza e como um pai de família em Casa na Pradaria, em parceria com o seu amigo Victor French (que também aparecia na série anterior) numa série na mesma linha de outras como o Cão Vagabundo onde alguém viajava pelo País ajudando outras pessoas a resolver os seus problemas.

Lembro-me de ver isto depois da hora de almoço, a RTP a dada altura transmitia séries neste horário, e que gostava do teor leve da mesma e do carisma que emanava do Michael Landon. A série mostrava Landon como um anjo que não podia ficar no céu enquanto não passasse por uma série de provações na Terra, e era ajudando as pessoas que ultrapassava essas provações e ascendia aos céus. Os problemas iam desde os amorosos aos policiais passando por disputas familiares ou apenas problemas de saúde.

Durou 5 temporadas, até 1989, e teve 111 episódios sendo que as últimas temporadas foram bastante fracas. Lembro-me bem do começo disto, de como ele tinha que convencer French, que era um ex-polícia, para o ajudar e de que ele era um Anjo na Terra. French era o contraponto perfeito para o bonacheirão Landon, tinha um aspecto mais cínico e rude o que ajudava a sobressair ainda mais o sorriso e boa vontade de Michael.

Para variar foi mais uma série dessa década com um genérico marcante e que nos prendia ao ecrã, apesar de ser um pouco fraca em argumentos, devido ao seu carisma e personalidade.

sábado, 23 de abril de 2016

Trilho das cascatas

Percurso do Trilho das cascatas em Vila do Rei. 

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Dia da Terra

terça-feira, 19 de abril de 2016

As aventuras de Babar

Babar, o Rei dos Elefantes é um personagem fictício, protagonista do livro infantil francês L'Histoire de Babar, escrito por Jean de Brunhoff. Com o tempo os livros deram origem a uma série de tv e filmes que fez o personagem ser mais conhecido pelo mundo, além de um maior marketing. Atualmente ele é co-protagonista da série Babar e as Aventuras de Badou.

História

A história de Babar é iniciada quando ele nasce como um simples elefante na floresta até a morte de sua mãe por um caçador fazendo ele fugir para uma cidade onde ele se torna amigo de uma velha senhora humana que o educa fazendo-o andar e se comportar feito um humano e fazendo-o vestir roupas. Depois de um tempo já adulto ele retorna ao seu lar na floresta e salva seus amigos elefantes do caçador de sua mãe assim sendo coroado rei dos elefantes. Posteriormente ele se casa com Celeste e inicia a construção da Cidade dos Elefantes que ele batiza como Celesteville, além de ganhar três fihos Pom, Flora e Alexander. Posteriormente ele se torna rival de Rataxes, rei dos rinocerontes que tenta fazer de tudo para derrubar Babar.

Inspiração

A história é baseada nos contos que Cecile, a esposa de Brunhoff, relatava aos filhos do casal, Laurent e Mathieu. Este relato os agradou de tal forma que contaram a seu pai, cuja ocupação era de artista e pintor.

Publicação

Dessa maneira que ocorreu a Brunhoff escrever um livro ilustrado, somente para uso familiar. Logo, seu irmão, Michel de Brunhoff, e seu cunhado, Lucien Vogel, entusiasmados, publicaram o livro em 1931, pela editora Éditions du Jardin des Modes, com o título de "L'Histoire de Babar le petit éléphant" (A História de Babar, o pequeno elefante). Foi exibido na TV Cultura em 1993 às 18h, volta ao ar no final de 2006 às 9h, atualmente está na Rede Família, de Segunda à Sexta, às 10h30.
Jean de Brunhoff Criadar do Elefante

Laurent e a obra de seu pai

Jean de Brunhoff publicou seis histórias antes de falecer, em 1937. Seu filho Laurent de Brunhoff, que, como seu pai, era escritor e pintor, continuou a série a partir de 1946, com "Babar et Ce Coquin d'Arthur" e muitos outros. Foi Laurent também que, em1969, começou uma série para a televisão francesa.

História

Depois que sua mãe foi morta por um caçador, Babar chegou em Paris, onde se torna amigo da Velha Senhora. Ele finalmente volta para o reino dos elefantes após a morte do rei, que comeu cogumelos venenosos. Babar é coroado rei, e casa-se com sua prima Celeste, e funda a cidade de Célesteville. O elefante Babar trouxe da França muito da civilização ocidental (entre outros, trajes Ocidentais).

Outros personagens

  • Céleste: prima e esposa de Babar, rainha de Celesteville.
  • Pom, Flora, Alexander e Isabelle: os quatro filhos de Babar e Celeste. (O filho Alexander é uma homenagem a Alexander Schevtschenko)
  • Zéfiro: um dos mais antigos amigos de Babar (um macaco).
  • Arthur: um jovem primo de Babar (irmãozinho de Celeste).
  • A velha amiga (humana) de Babar: Foi ela quem ensinou-lhe a vida na cidade. Chamada apenas de "Senhora".
  • Cornélius: O mais antigo conselheiro de Babar.
  • Pompadour: Outro conselheiro de Babar, o mais aristocrático dos dois.
  • Trombadour Assessor de Pompadour.
  • Poutifour: O jardineiro de Babar.
  • Rataxès: Rei dos rinocerontes.
  • Basil: Conselheiro de Rataxès
  • Victor: o filho de Rataxès.

Críticas

As idéias implícitas nas história, foram muito criticadas por, entre outros, Ariel Dorfman. Dorfman justificava suas críticas dizendo que a história apoiava o colonialismo e proporcionava uma visão totalmente distorcida da história, com Babar representando o indígena, o negro, a ser "civilizado" pela metrópole, e a anciã sendo uma espécie de Rainha da Inglaterra.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Dia Internacional do Café

A origem da data é desconhecida, sendo celebrada em diversos países em diferentes datas, tendo-se estabelecido o dia 14 de abril para a celebração mundial. A data ficou enraizada no mundo ao longo dos anos, contudo, em 2015, a Organização Internacional do Café e os seus 74 Estados membros e 26 associações cafeteiras decidiram celebrar o primeiro Dia Internacional do Café oficial a 1 de outubro de 2015.

O café

O café é uma das bebidas mais consumidas no mundo e a segunda matéria prima mais comercializada em todo o mundo, a seguir ao petróleo.
Em Portugal, o café é conhecido por bica ou cimbalino, de acordo com a região onde pedimos o café.
Se estivermos em Lisboa, o termo tradicional para o expresso é bica, um acrónimo que significa "Beber Isto Com Açúcar". Quando começou a ser comercializado em Lisboa, no café "A Brasileira", o café não agradou aos lisboetas e, por isso, foi criado o slogan, para que as pessoas adicionassem o açúcar ao café. Já no Porto deve pedir um cimbalino, como referência a La Cimbali, a popular marca de máquinas de café.
Os portugueses são dos europeus que consomem menos café. Em média, um português consome 4 quilos de café por ano, o que equivale a 2,2 chávenas por dia.

Benefícios para a saúde

Consumido moderadamente, o café tem uma ação antioxidante, atuando no combate aos radicais livres e diminuindo os riscos de desenvolver doenças cardiovasculares e alguns tipos de cancro. O excesso de café pode causar irritabilidade, ansiedade, inquietação, insónia, dores de cabeça, náuseas e problemas gastro-intestinais, devido à sua acidez.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

domingo, 10 de abril de 2016

Gupo Ekvat


- Almoço Solidário, já no próximo sábado, no dia 16 de Abril, as 13h na Casa de Goa.
- Estamos a recrutar rapazes, raparigas para dançar, para cantar, para tocar.
- Temos novos espectáculos, proximo no museu dos Coches, 
para divulgação das actividades da Casa de Goa.

sábado, 9 de abril de 2016

CICLO DE CONCERTOS

ABRIU NOVO CICLO DE CONCERTOS - ENTRADA LIVRE

Começa este sábado, dia 9 de Abril o VI Ciclo do Órgão Histórico da Igreja de São Vicente de Fora.
O Patriarcado de Lisboa e a Editora Althum.com têm a honra de convidar V. Exª para o próximo concerto do VI Ciclo de Concertos.

Concerto de órgão na Igreja de São Vicente de Fora,
dia 9 de Abril, 
sábado, 
às 17h.
Organista Rui Soares 

- Tocatas, Variações e Batalhas.

Gostaríamos de contar com a vossa presença e divulgação.
Entrada livre. 

Informações e reservas:  info@althum.com | 919 745 338


terça-feira, 5 de abril de 2016

Quem não te respeita, não te merece



Campanha "Corta com a Violência: quem não te respeita não te merece", promovida pela APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. 

domingo, 3 de abril de 2016

Sons de Goa

aqui vai o link para o Sons de Goa: https://www.youtube.com/watch?v=fiV5dJggh44

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Abril