Meus outros blogs:

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Qué trae el eclipse del 21 de agosto?

Qué trae el eclipse del 21 de agosto?  por: ORION publicado por Gustavo Guerrero

20914432_1291010751026913_83067190002921068_n
Saludos hijos de la luz; se encuentran ustedes a las puertas de uno de los mayores eventos que ha presenciado la humanidad, no solo por los conocimientos que a nivel astronómico éste pueda traer, sino por los grandes cambios que todos ustedes comenzarán a experimentar como especie en el planeta, cambios que tendrán implicaciones en todos los aspectos de su vida en la Tierra.
Este eclipse trae la apertura de un gran vortex energético que propiciará cambios desde la estructura de su cuerpo, hasta la forma como ustedes experimentan y crean su realidad. Durante 3 minutos las fuerzas primordiales que moldean la realidad de su mundo físico como lo son la electricidad, el magnetismo, la gravedad y otras fuerzas que aún su ciencia está por descubrir, realizarán un alto en la forma convencional como han estado funcionando para entrar en un nuevo patrón y una nueva frecuencia vibracional; lo que esto significará para ustedes es la manifestación de un mayor poder para crear nuevas realidades en base a la expansión de su propia consciencia. A partir del 21 de agosto todo lo que tiene que ver con sus mente y su corazón se verá incrementado, por lo tanto este es el momento en el que ustedes deciden cuál es el camino que desean continuar transitando durante su estancia en el planeta. Nosotros su familia de las estrellas, sus ángeles y guías espirituales venimos a decirles que este es el momento perfecto para trabajar con esas creencias, esas emociones y esos pensamientos que les mantienen atados a una existencia terrenal con limitaciones. Pueden imaginar la fuerza de este evento y el impacto que tendrá en su propia consciencia como la espiral de un gran huracán que arrasará con toda la negatividad que puedan albergar si expresan su deseo, su intención y su acción para salir de una vez por todas de las limitaciones con las que han vivido. Esta espiral de luz es de naturaleza eléctrica y magnética, y actuará a nivel de cada célula, de cada pensamiento y cada emoción que tengan dentro de sí. Cuando hablamos de que todo será incrementado queremos decir exactamente eso; cada pensamiento tendrá mayor poder, cada emoción se fortalecerá aún más, cada acción tendrá un mayor impacto en su realidad. De aquí la importancia de que ustedes decidan entrar en alineación con todo lo que es elevado, lleno de luz y positivo, independientemente de las circunstancias que experimentan en la actualidad. Las fuerzas que entrarán en rigor en el planeta están diseñadas para promulgar la creatividad, las invenciones, la belleza, el arte, la ciencia, los ideales elevados, la política, la economía, la espiritualidad y el altruismo entre otros aspectos. Es importante que se sienten un momento para definir qué es exactamente lo que desean crear a partir de ahora, que elaboren un plan de acción que le sirva a su mente y al universo para asistirlos en manifestarlo en su realidad física, pero para que esto se pueda dar, principalmente es necesario que expresen su voluntad de ser seres libres y poderosos. Con esto nos referimos a que este es el momento más apropiado para que suelten ya todas las creencias, apegos, y paradigmas que hasta ahora han sido su escudo protector, pero que ya no necesitan más para continuar creciendo, pues de hecho son la causa principal del estancamiento y los bloqueos que experimentan para crean la vida de libertad, felicidad y plenitud que desean.
Este vortex que se abre con el eclipse del día 21, tiene el poder de disolver el magnetismo que los arrastra hacia la negatividad y las limitaciones si tan solo expresan su deseo acompañado de acciones diarias para salir del estado de cautiverio mental y emocional en el que han vivido por tanto tiempo. Debido a que todos ustedes fueron concebidos para manifestar el poder de su libre albedrío, lo que este eclipse traerá es el incremento, la magnificación de aquello que ustedes decidan albergar dentro de sí mismos. Este es el momento en el que se cumple la profecía: “Aquellos que tienen poco, se les quitará lo poco que tienen; y aquellos que tienen mucho se les dará aun más”. Lo que esto quiere decir es que lo que puedan crear o no, dependerá enteramente de las energías con las que decidan alinearse a partir de ahora.
Desde nuestra perspectiva podemos ver la gran cantidad de seres humanos que ya han entrado en este espiral de luz, y es por este deseo y esta voluntad de querer salir de lo negativo que los esfuerzos de estas personas podrán salvar miles de vidas que de otra manera sucumbirían ante la gran turbulencia emocional de los cambios psíquicos y espirituales que están dándose en este mes de agosto.
Esta apertura en la energía del planeta nos permitirá también a nosotros su familia del cielo y de las estrellas manifestar nuestra presencia ante ustedes de forma más física. A partir de ahora muchos de ustedes tendrán la oportunidad de conocer aún más a su familia estelar, serán testigos de nuevas apariciones y avistamientos en los cielos, de nuevos encuentros físicos con sus hermanos y hermanas principalmente de Sirio, las Pléyades y Lyra. Muchos de ustedes han estado teniendo experiencias de “volar” durante sus sueños; esta es la forma como su subconsciente les está preparando para levantarse por encima de todo lo denso del plano terrenal, y aquellos que han tenido estas experiencias nocturnas, verán incrementada notablemente su capacidad para volar y crear con su mente, trayendo nuevas realidades, nuevas oportunidades y circunstancias en su propia vida que resultarán ser para el beneficio de todos los demás, pues en la medida que desean el bienestar para su prójimo estos cambios se incrementarán aún más en su propia vida convirtiéndoles en fuentes de transformación para todos los reinos de la Tierra.
Amados nuestros, esta es la oportunidad que muchos de ustedes han estado esperando y con la que han estado soñando, que les permitirá experimentar la activación de habilidades por las que han trabajado, dones tales como percibir nuestra presencia física, entrar en contacto con su familia de las estrellas, mayor poder para sanarse a sí mismo y ayudar a sanar a otros, tener una mayor visión del futuro mientras permanecen en su presente con paz y regocijo interno, elevando sus cuerpos de luz fuera de su cuerpo físico, canalizando a los seres de luz y muchos otras habilidades que en su momento podrán reconocer.
Después del día 22 comenzarán a experimentar más calma a medida que las cosas y los eventos en el planeta se estabilizan. Cambios importantes ocurrirán antes de la “gran calma” que han de experimentar. Uno de los acontecimientos más emocionantes de estos momentos en agosto es el levantamiento de los velos; por lo tanto no será sorpresa que muchos de ustedes comiencen a tener visiones y pruebas de las cosas que hasta ahora han considerado como mitología o leyendas. Muchos de ustedes conectados con el período de la historia conocido como Camelot percibirán su regreso en el poder de lo Divino Femenino que se basa en el respecto y la paz entre los pueblos. A partir de ahora los seres humanos unirán más sus esfuerzos para ser cada vez una familia más unida. Nuevos acuerdos serán firmados, nuevas alianzas y un mejoramiento en las relaciones personales y entre países serán establecidas en preámbulo a la aparición de la Tierra Sagrada. Eventos que ustedes están experimentando en los actuales momentos como lo ocurrido en Barcelona y la tensión entre Corea del Norte y USA, les sirven para entrar en este estado de mayor compasión y unificación humanitaria. Es importante entonces que al ver estos eventos liberen todo lo que les pueda alinear con la rabia, el odio y el miedo, pues es desde esta vibración negativa como por ser seres creadores atraerán más de las cosas que no desean ver nunca más. Les invitamos a que llenen su corazón de compasión, no de tristeza; y de sabiduría, no de incertidumbre. Para esto solo deben imaginar que son seres sabios, llenos de amor y de compasión que pueden ver estos eventos como lo que realmente son; parte del aprendizaje y el crecimiento en la 3ra dimensión. Cuando pueden colocarse en esta perspectiva tan elevada, eliminan los sentimientos de condena, rechazo y repulsión que puedan experimentar y que no hacen más que magnetizar más de la misma situación.
Queremos decirles que estarán experimentando activaciones muy especiales de sus hogares estelares, como Sirio por ejemplo, cuyos amorosos habitantes están asistiéndoles en la activación de su 3er ojo (visión espiritual) y su plexo solar (poder personal). Sirio ha jugado un papel muy importante en el crecimiento de sus más grandes civilizaciones, ellos, junto con otros, les han asistido a lo largo de toda su evolución como especie humana. Fueron los seres de Sirio quienes tuvieron a cargo la tarea divina de crear sus textos sagrados en sus versiones puras y originales; esto lo hicieron de acuerdo al plan divino y con la finalidad de acercarles más a la FUENTE de toda la creación. Muchos de ustedes están familiarizados por ejemplo con lo ocurrido en el monte Sinaí. Ahora su familia de Sirio les asisten para reactivar su poder de creación, de la misma manera como instruyeron a Moisés y a todo el pueblo hebreo con el cruce de las aguas en el mar rojo para ponerlos a salvo del faraón. Esto es ciencia y alquimia espiritual en su forma más elevada. Muchos de ustedes que tienen una conexión con “Pegasus” y “Unicornio” comenzarán a activar estos dones de la magia y la alquimia espiritual, el poder de la transformación pasará a formar parte de su vida diaria lo cual es un gran honor que conlleva también una gran responsabilidad, y aquellos que se encuentran listos comenzarán a asistir al planeta con estos conocimientos.
Aquellos que decidan retirarse de la negatividad colectiva podrán ver hermosos cambios en el mundo natural, los 5 sentidos se verán incrementados, un nuevo patrón de luz, color y sonido emergerá de la naturaleza a su alrededor y ustedes podrán percibirlo con asombro y admiración. Muchos de quienes han estado entre ustedes como fue el caso de Walt Disney tuvieron la capacidad de conectarse con la realidad de la 7ma y la 8va dimensión; un mundo de patrones hermosos y sublimes a los cuales se pueden acceder a través del uso apropiado de la imaginación. Walt Disney tenía la capacidad de canalizar y traducir estos patrones elevados, utilizando su talento como animador gráfico para plasmar estos patrones en una de sus creaciones más divertidas y elocuentes: la película “Fantasía”.
Les pedimos que hagan uso de su imaginación y comiencen a buscarnos intuitivamente tanto en los cielos como en la naturaleza; podrán vernos allí en conexión con sus cuerpos de luz. Cuando utilizan el poder de su imaginación ustedes extienden un puente hacia las dimensione superiores que hace posible el contacto con las realidades que se encuentran allí.
Este mes de agosto que contiene el poder inherente en este eclipse solar, es un gran momento de recarga, de recalibración y de equilibrio con fuerzas muy poderosas de la creación. La espiral de luz con la llegada de este eclipse contiene códigos y patrones de luz muy especiales que se anclarán en la estructura física de su ADN, por esto es de suma importancia que liberen lo negativo, las limitaciones, la agitación y la convulsión de la vida cotidiana; descansen de su vida por un momento, tomen momentos durante el día para respirar y estar con DIOS, aunque sea tan solo por un minuto en el que establezcan su deseo de salir de la matrix negativa de la Tierra. Denle importancia a su descanso diario y a su alimentación. Entren en un estado de calma por un minuto y hablen con nosotros, permítannos trabajar con ustedes. Pidan desde la convicción de que todo lo que necesitan ya lo tienen a nivel energético, y que solo es cuestión de trabajo con su mente y su corazón para verlo manifestarse en su realidad física; no son necesarias las peticiones, los ruegos ni las súplicas pues esto proviene de la carencia; aquellos que ruegan y suplican es porque piensan que no tienen lo que necesitan; por esto les instamos a que piensen que aquello buscan ya lo tienen consigo, aun cuando no puedan verlo en lo físico en este preciso momento.
Reconozcan que en la medida que desean el bienestar para otros, incluyendo el deseo de crecimiento para aquellos quienes no son tan amorosos con ustedes, podrán hacerse acreedores de las cosas que tanto quieren crear. Este es el principio básico contenido en “colocar la otra mejilla” que los convierte en imanes para atraer la realidad que más anhela su corazón.
Queremos resaltar los aspectos más importantes con los que pueden trabajar en estas fechas para recibir todos los beneficios de esta nueva dispensación:
1-Liberar los pensamientos, creencias y emociones negativas que les limitan. Expresar su deseo consciente y sincero para salir de la negatividad
2-Definir claramente lo que desean crear en su vida, recordando que aquello que se encuentra en su mente y en su corazón es lo que verán incrementarse en su realidad física.
3-Entrar en conexión con DIOS por un minuto diariamente.
4-Cuidar de su cuerpo, tomar el descanso apropiado y limpiar su energía diariamente
5-Pedir la asistencia de su familia de luz, de sus ángeles, sus guías, y hermanos de las estrellas
6-Vivir en un estado de sincera gratitud
Para aquellos de ustedes a quienes les gustaría una forma estructurada para entrar en alineación con este espiral evolutivo, les dejamos a continuación la declaración que les ayudará a conectarse con esta fuerza que envolverá a todo el planeta.
Cuando entren en el estado de calma y de comunión con el Creador pueden realizar la siguiente declaración si lo desean:
Quiero liberar las creencias que me limitan en la actualidad, aunque éstas me hayan servido hasta ahora; quiero liberarme de sus ataduras, quiero ser libre, pensar y sentir de forma libre, poder expresarme desde mi propio poder. Quiero vivir desde la magia de mi Ser Divino y con el poder de creación con el que fui ungido al momento de mi concepción divina. Quiero ser libre y estar libre de toda negatividad, de los prejuicios, de las críticas y de la forma de actuar del colectivo. Quiero abrazar a toda la vida; a todos los seres vivos por muy diferentes que todos podamos ser… Quiero sentir la unificación con toda la vida y expresar el poder de mi Divinidad. Honro las enseñanzas de la oscuridad por la que he transitado, reconozco su aporte y los aprendizajes recibidos a través de ella, pero ahora manifiesto mi voluntad de regresar a la luz. Hoy siento el amor puro por mí mismo y por toda mi existencia. En la medida que me permito experimentar este sentimiento de grandeza me lleno de poder para sanarme a mí mismo, para abrazar y sanar a otros con la luz de mi mente, y de mi corazón.
Soy un ser libre, feliz y grandioso
Este es un tiempo para crear gloria en sus vidas amados nuestros, y queremos recordarles que siempre están recibiendo todo nuestro amor. Les amamos desde lo eterno, lo sublime y lo divino, siempre…
ORION
a través de: Gustavo Guerrero

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Hibernar


domingo, 13 de agosto de 2017

Hoje, apenas hoje...

Hoje, apenas hoje...


«Procurarei viver pensando apenas no dia de hoje, sem querer resolver de uma só vez todos os problemas da minha vida.

Hoje, apenas hoje, terei o máximo cuidado na minha convivência: afável nas minhas maneiras, a ninguém criticarei, nem pretenderei melhorar, nem corrigir ninguém à força se não a mim mesmo.

Hoje, apenas hoje, serei feliz na certeza de que fui criado para a felicidade, não só no outro mundo mas também já neste.
Hoje, apenas hoje, adaptar-me-ei às circunstâncias sem pretender que sejam todas as circunstâncias a adaptarem-se aos meus desejos.

Hoje, apenas hoje, dedicarei dez minutos do meu tempo a uma boa leitura. Assim como o alimento é necessário para a vida do corpo, assim a boa leitura é necessária para a vida do espírito.
Hoje, apenas hoje, farei ao menos uma coisa que me custa fazer; e se me sentir ofendido nos meus sentimentos, procurarei que ninguém o saiba.

Hoje, apenas hoje, farei uma boa acção, e não o direi a ninguém.

Hoje, apenas hoje, executarei um programa pormenorizado. Talvez não o cumpra perfeitamente, mas ao menos escrevê-lo-ei. E fugirei de dois males: a pressa e a indecisão.

Hoje, apenas hoje, acreditarei firmemente - embora as circunstâncias mostrem o contrário - que Deus se ocupa de mim como se não existisse mais ninguém no mundo.

Hoje, apenas hoje, não terei qualquer medo. De modo especial não terei medo de apreciar o que é belo e de crer na bondade.»
 
[João XXIII]

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

um laço

Há coisas que faço que nunca fiz,
há coisas que digo e nunca disse,
há coisas que sinto que nunca senti.
Não conheço este caminho, sinto-me perdida tantas vezes
e tantas vezes me encanto com o perder-me,
como me desencanto com os desencontros do que se diz, se sente e se faz.
Neste caminho que se vai fazendo debaixo dos meus pés, procuro as minha fronteiras de ti,
procuro onde eu acabo e nos começamos, desencontro-me de mim e encontro-me em ti, em nós.
Sou o que não sabia ser, o que pensava saber, sem saber que nunca se sabe ser afinal.
Eu sou o nós, tu és o nós, somos o mesmo no nós que não existe, mas que somos.
E eu não percebo isto, de ser eu e ser tu ao mesmo tempo. De ser tu e não deixar de ser eu.
Não encontro no mapa as fronteiras para sair deste caminho para fora de nós. Para fora de mim.
É o nós que me dá o nó.

E é o nó a tentar ser laço.

sábado, 5 de agosto de 2017

Feira Medieval de Óbidos

Mercado Medieval de Óbidos
13. 07. 2017 – 06. 08. 2017
Ser Mulher na Idade Média
Óbidos é Casa de Rainhas.
A ligação da Vila com as mulheres é longa, repleta de lendas e histórias de princesas mouras e cristãs, rainhas, artistas e mulheres comuns que deixaram um legado interessante e uma aura que se sente no burgo.
Neste Mercado Medieval de Óbidos acercamos a condição feminina em tempos da Idade Média.
Os Homens medievais desconheciam a Mulher e, como tal temiam-na: o seu corpo e as reações, para eles tantas vezes incompreensíveis, a sua apregoada malignidade, o seu poder de sedução.
Mas dela dependiam para perpetuar as suas linhagens. Só havia uma maneira de agir: submetê-la, controlá-la, cercear-lhe, tanto quanto possível, qualquer poder de iniciativa.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Lagoa de Óbidos - um paraíso em vias de desaparecimento


A Lagoa de Óbidos é uma zona húmida de particular valor económico e ambiental, já referida nos documentos das cortes de Évora de 1460, e que se encontra sujeita a uma grande diversidade de ameaças. Conheça a Lagoa e os seus problemas.

A Lagoa de Óbidos é uma Zona Húmida, o que se define com alguma dificuldade, visto que as zonas húmidas ocupam o espaço de transição entre meios permanentemente húmidos e geralmente secos, possuindo características de ambos, sem no entanto poderem ser rotuladas sem ambiguidade, de terrestres ou aquáticas, visto que a presença prolongada de água modifica os solos, organismos microscópicos neles contidos e comunidades de plantas e animais.

Iremos seguidamente fazer uma pequena viagem por esta Lagoa, que é a maior de Portugal Continental e apresenta inúmeras características de interesse, tanto científico como lúdico, cultural, económico e social.

A Lagoa de Óbidos tem desempenhado ao longo dos séculos um importante papel económico e social. São dois os Concelhos de que esta área depende, Caldas da Rainha e Óbidos, mas a bacia em si, enquadra-se num contexto mais vasto, constituído pelos 16 concelhos do Oeste, de Torres Vedras a Alcobaça e Nazaré. Já em 1460, um documento das cortes de Évora, descreve a obrigação dos habitantes das povoações próximas, em participar nos trabalhos de abertura da Lagoa de Óbidos para assegurar a sua drenagem. Em 1642, D. João IV, decreta por alvará, que ninguém abra a Lagoa sem autorização prévia da Câmara, alegando que aberturas fora do tempo provocam danos para a saúde pública. Em 1946, foram descritas, pela primeira vez em Portugal, intoxicações alimentares graves, ocasionadas pela ingestão de bivalves provenientes da Lagoa de Óbidos e depois disso, têm surgido ciclicamente notícias sobre a proibição da apanha de bivalves, devido à existência de marés vermelhas - a produção de biotoxinas por algumas espécies fito-planctónicas, que se acumulam ao longo da cadeia alimentar com especial incidência nos bivalves, leva à interdição da sua captura e comercialização todos os anos.
Durante as duas últimas décadas, a Lagoa de Óbidos tem vindo a sofrer pressões que há 50 anos eram difíceis de prever. O crescimento populacional na área da bacia e o aumento significativo do número de visitantes, levam a que esta região seja encarada por muitos como apenas mais uma zona de praia. No entanto, para centenas de mariscadores e pescadores, a Lagoa de Óbidos representa o meio de sobrevivência e a faina, sobretudo conquícola, tem vindo a degradar-se todos os anos. Com a construção de barragens ao longo dos afluentes e o excesso de poluição transportada para a Lagoa, tem-se vindo a verificar nos últimos anos uma diminuição dos caudais de água doce, face aos de água salgada, com a consequente diminuição ou desaparecimento de certas espécies. O rendimento bruto global, proveniente da pesca e da apanha de bivalves está estimado como sendo superior a meio milhão de contos por ano, sendo evidente a dependência económica das populações dos recursos directamente provenientes da Lagoa, especialmente no Concelho de Óbidos, sendo a zona de Caldas da Rainha mais industrializada e portanto menos dependente da agricultura e pescas.

Também a recolha e tratamento de resíduos sólidos tem constituídos um dos mais graves problemas da região, com consequências gravosas para a Lagoa. A estrutura de povoamento de várias parcelas de território caracteriza-se por uma acentuada dispersão por lugares de dimensões reduzidas, o que torna difícil mas não impossível, a implementação de medidas integradas de saneamento básico em certas áreas. A suinicultura é outro factor de agravamento das condições da Lagoa, visto que no Oeste há cerca de 5 suínos por hectare; mas estes encontram-se maioritariamente em pequenas suiniculturas familiares com não mais de 20 animais, o que torna a actividade não só pouco competitiva, como também extremamente poluente e difícil de controlar. As principais actividades industriais da bacia hidrográfica da Lagoa são: agro-pecuárias, adegas, destilarias e matadouros, existindo ainda fábricas de produção de cimento, de artigos cerâmicos, sabões e produtos cosméticos e ainda uma pedreira, responsável por grande quantidade de materiais em suspensão. As actividades responsáveis por maior degradação ambiental são as agro-pecuárias e as conservas de carne.

A Lagoa de Óbidos é um sistema lagunar de reconhecida importância ecológica. Devido ao constante afluxo de nutrientes e matéria orgânica de origem continental, os sistemas lagunares contam-se, a par dos estuários e deltas, como dos ecossistemas mais produtivos do planeta e a Lagoa de Óbidos não foge a esta regra, apresentando uma produtividade primária significativa.
A Lagoa de Óbidos não é uma das zonas húmidas de maior relevância a nível nacional, mas comporta um elenco florístico e faunístico que importa conservar e valorizar. A macrofauna bentónica inclui mais de 100 espécies inventariadas que, além do valor conservacionista, assumem também relevância económica pela exploração de bancos de bivalves. Quanto à ictiofauna, esta região lagunar tem um papel fundamental no abastecimento dos stocks continentais através da função de viveiro, estando referidas 52 espécies de peixes, das quais 30 com importância económica. Para além da função de viveiro existem várias espécies residentes, o que atribui à Lagoa importância económica como pesqueiro. A protecção e valorização das comunidades ictiofaunísticas, prende-se não só com a regulação das actividades piscatórias mas também com a protecção e recuperação das zonas de vasa e vegetação ribeirinha, dada a relação próxima entre aquelas e as características geomorfológicas das margens e vegetação ripária. No que concerne à avifauna, a Lagoa de Óbidos não é uma das zonas húmidas mais importantes do País, mas mesmo assim integra 5 espécies com estatuto de conservação delicado, de acordo com o Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal, e várias outras espécies não ameaçadas, mas em regressão noutras áreas da Europa. Em relação a outros grupos de vertebrados terrestres, é de referir a existência da Lontra (Lutra lutra) e de algumas espécies endémicas de herpetofauna.

De toda a área da Lagoa, o Braço da Barrosa é sem dúvida o local de maior importância do ponto de vista ecológico, visto que é importante para vários grupos biológicos distintos, possui uma das poucas manchas de carrascal ainda existentes na Lagoa, assim como algumas zonas de vasa com vegetação relativamente bem conservada, o que define boas condições para a avifauna e tem ainda importância para a ictiofauna, proporcionando condições satisfatórias para a função de viveiro.
Numa apreciação global e de acordo com a avaliação feita pelo ICN e outros autores, a Lagoa de Óbidos não apresenta o grau de importância de outras zonas húmidas, como a Ria de Aveiro e a Ria Formosa, mas tem uma diversidade específica e um elenco florístico e faunístico, que justificam a sua conservação e recuperação ambiental.

No que se refere à geologia da região esta é marcada pela morfosedimentogénese que modela a Lagoa e sua bacia de drenagem. A folha da carta geológica de Portugal que abrange a área em estudo é a 26-D de Caldas da Rainha, na escala 1:50000; existem na zona drenada para a Lagoa formações diversas, de idades Jurássicas a Quaternárias, pertencentes na sua grande maioria ao Vale Tifónico de Caldas da Rainha. A zona drenante para a Lagoa é formada pelas seguintes litologias: Margas, argilas salíferas, margas gipsíferas e calcários margosos e dolomíticos do "Complexo da Dagorda". São formações com comportamento diapírico que funcionam por vezes como barreira hidráulica para as águas infiltradas e originam termalismo - caso das nascentes termais de Caldas da Rainha e de outras nascentes mais ou menos quentes e mais ou menos sulfurosas existentes na região (Salir do Porto, Serra do Bouro, Águas Santas, Óbidos, etc.). Calcários e margas de vários tipos. Distinguem-se as "Camadas de Montejunto" e as "Camadas de Alcobaça" , ambas essencialmente calcárias e que estão relacionadas com a recarga das nascentes termais, mais especificamente às Camadas de Montejunto. Surgem ainda: "Grés superiores com vegetais e dinossáurios", "Grés de Torres Vedras", areias e arenitos, formações arenosas constituídas por antigas praias e terraços, tufos calcários, dunas e rochas eruptivas como o grande filão das Gaeiras, com cerca de 6 km de extensão.

Quanto à geomorfologia desta Lagoa e sua bacia, a área total da bacia hidrográfica dos vários cursos de água que drenam para a Lagoa de Óbidos, ronda os 440 km2 e pode ser subdividida em várias sub-bacias. A Lagoa, cuja área ronda os 7 km2, tem um comprimento máximo de 4,5 km e uma largura máxima de 1800 m, prolongando-se por dois braços: do Bom Sucesso e da Barrosa. Das várias linhas de água que nela confluem destacam-se o rio Borraça, o rio da Cal, o rio Arnóia e o rio Real, tendo os dois últimos respectivamente 9,31 e 33 km de extensão. A sub-bacia do rio Arnóia tem uma área de 125 km2 e a do rio Real, 250 km2. A maior parte da bacia hidrográfica da Lagoa de Óbidos tem cotas inferiores a 200 m, mas nas cabeceiras a SSE estas ultrapassam os 600 m. A escorrência faz-se essencialmente no sentido SE=>NW (rios Arnóia e Real) e a rede de drenagem é preferencialmente sub-paralela. A Lagoa de Óbidos ocupa uma depressão pouco profunda separada do ambiente marinho por uma barreira natural constituída por um cordão de dunas litorais. A zona drenante directamente para a Lagoa de Óbidos ou para os seus afluentes, rios Real, Arnóia, Cal e Sujo é constituída por: praticamente todo o concelho de Óbidos, toda a extensão das bacias de drenagem dos Rios Real e Arnoia que vêm dos Concelhos de Rio Maior e Bombarral e, se estendem até aos concelhos da Lourinhã e Torres Vedras, as localidades da Foz do Arelho, Nadadouro e Caldas da Rainha e respectiva envolvente, que inclui o extremo Sul da Serra do Bouro e se prolonga para Norte até Tornada a partir da cidade de Caldas da Rainha e, as localidades da Fanadia, S. Gregório da Fanadia, A dos Francos e Landal e respectiva envolvente. O rio Arnóia entra no concelho das Caldas da Rainha a Sudoeste pelas freguesias do Landal e A dos Francos. O Rio Real atravessa o Concelho de Óbidos, proveniente do Bombarral, com direcção sensivelmente Este-Oeste; o rio da Cal, com menos de 30km, atravessa a cidade de Caldas da Rainha em direcção à Lagoa de Óbidos. O rio Sujo, de muito pequena dimensão (inferior a 6km), desagua no rio da Cal.
Tem importância geológica de destaque a estrutura sedimentar conhecida por “Penedo Furado”, onde se evidenciam estruturas indicativas de paleocorrentes. Este monumento geológico tem vindo a degradar-se de ano para ano, sem que muito se tenha feito para o impedir, para além de algumas visitas ao mesmo, que acabaram por nunca ter sequência efectiva. Existe a possibilidade de estudar alguma forma de tratamento a dar à estrutura que diminua ou atrase a erosão que tem vindo a sofrer, mas por enquanto nada foi feito nesse sentido.

No que se refere à dinâmica sedimentogénica responsável pela morfologia existente na Lagoa de Óbidos e pelas alterações que a mesma sofre constantemente, podem considerar-se 6 sistemas ambientais: litoral, lagunar, lagunar emerso, fluvial, continental e antrópico. Os sistemas fluvial e continental contêm sedimentos maioritariamente arenosos e reflectem a litologia da bacia de drenagem. No sistema litoral encontramos a zona entre marés, as dunas litorais, a ante-praia e antigos canais de comunicação com o mar, todos com predominância de materiais arenosos, transportados pela água e pelo vento. A origem dos materiais mais grosseiros é fluvial e por queda das arribas, enquanto os arenosos são principalmente oceânicos por desmonte de arribas e da plataforma continental, à excepção dos transportados pelo vento que são continentais ou provenientes da praia. As areias oceânicas provêm essencialmente da região a Sul da Nazaré, enquanto as de outras origens provêm do continente através da lagoa, do litoral, das dunas, etc. No sistema lagunar predominam também as areias e estas reflectem um ambiente de fraca intensidade de correntes que determina uma calibração dos materiais com predominância de finos. No sistema antrópico incluem-se essencialmente materiais dragados e obras construídas, existindo áreas que suportam actividades desapropriadas ou incompatíveis com a correcta gestão, como a utilização balnear perto do cais onde coexistem descargas de resíduos, a acumulação de dragados perto da Foz dos Rio Real e da Ponta da Ardonha , a construção de moradias em zonas dunares a Sul e sobre dunas continentais a Norte.

Foi construída recentemente uma estrutura hidráulica, que delimita o canal de escoamento da Lagoa para o mar, a Norte e, pretende imprimir uma velocidade de corrente de escoamento na maré vazante tal, que os materiais que têm vindo a encher o interior da Lagoa, sejam escoados para o mar e este movimento, não seja contrariado pelos materiais que vêm do mar na maré cheia. Na prática o que se tem verificado, é que estas correntes de maior velocidade e grande competência hidráulica, não só carreiam grande quantidade de sedimento do interior da Lagoa para o mar, mas também têm vindo a provocar forte erosão do outro lado, junto à vila do Bom Sucesso, pondo em perigo as estruturas urbanas aí existentes. Por outro lado estes materiais erodidos no Bom Sucesso, acabam por se depositar nas imediações e têm vindo a provocar o assoreamento de certos locais junto à referida vila, onde a água perde capacidade de carga.
A Lagoa de Óbidos é um ambiente efémero, com tendência natural para o assoreamento, visto que sempre se verificou um maior transporte de sedimento do mar e rios para a Lagoa, que desta para o mar. Houve, entre 1917 e 1980, um total de sedimentação de 2692750 m3 e um total de erosão de 250500 m3, acompanhadas de alterações fisiográficas que levaram à diminuição da área por ela ocupada.

A natureza e evolução das lagoas dependem do clima e de certas variáveis como a precipitação e a evaporação, que exercem importante influência na salinidade do meio e no fluxo de contribuições de materiais. Sendo estes fenómenos sazonais, vão introduzir modificações periódicas no sistema, que não devem ser esquecidas. De acordo com Freitas, C., 1989, as condições climáticas vigentes na Lagoa de Óbidos são as seguintes: temperatura média anual do ar a rondar os 15° C, temperaturas mais elevadas em Agosto e Setembro e mais baixas em Janeiro e Fevereiro, maior insolação em Julho e Agosto e menor em Janeiro, época chuvosa nos meses de Novembro a Abril, ventos predominantes de Norte com maior velocidade média do vento nos meses de Dezembro a Fevereiro, evaporação máxima em Janeiro e mínima em Agosto, o que se relaciona possivelmente com o facto de a humidade relativa média do ar ser máxima em Agosto e mínima e Janeiro. O clima da região classifica-se como mesotérmico húmido com estação seca no Verão de acordo com a classificação de Kopen e, mesotérmico sub-húmido de acordo com a classificação de Thornthwaite.

Toda a zona corresponde a uma Área de Potencial Ocorrência de Património Náutico Subaquático e/ou em Várzea, visto que a zona lagunar e terrenos envolventes até à cota de 10m era ainda navegável no século XVII – Várzea da Rainha que chega ao sopé do Castelo de Óbidos - , podendo encerrar vestígios de antigas embarcações e estruturas de acostagem. Existe também um registo (nº 5370) no IPA, com localização exacta não confirmada, de vestígios arqueológicos diversos na zona da Lagoa pertencente ao Concelho de Óbidos.
Os factores de perturbação referidos como mais relevantes são principalmente os seguintes: poluição provocada por esgotos industriais e domésticos e pelos pesticidas trazidos pelas enxurradas através de toda a bacia hidrográfica, forte pressão turística, construção, pisoteio sobre as dunas, queima do caniço, mobilizações profundas do solo para florestação de grandes áreas, possibilidade de drenagem da Poça do Vau para uso agrícola, caça ilegal e abate de espécies protegidas por lei, progressivo assoreamento da zona aberta que tende a fechar a comunicação da Lagoa com o mar.

A Lagoa de Óbidos foi classificada como um Biótopo CORINE (C21100067) com 2600 ha, sendo este apenas um inventário legal; inclui-se no Sítio Peniche/Óbidos que fez parte da Proposta Preliminar da Lista Nacional de Sítios (LNS) ao abrigo da Directiva Habitats (que classifica as lagunas costeiras como Habitats Prioritários), apesar de não ter sido englobado na 1ª e 2ª fases da LNS, que foram publicadas pelas Resoluções do Conselho de Ministros nº 142/97 de 28 de Agosto e nº 76/2000 de 5 de Julho, respectivamente. Esta Lagoa enquadra-se na Lista de Zonas Húmidas elaborada de acordo com a Classificação de Ramsar numa extensão de 800 ha incluída na anterior. Os valores faunísticos relevantes para a sua classificação são 8 espécies constantes do Anexo I da Directiva Aves, 4 espécies de ocorrência ocasional e 1 espécie de mamíferos. Não se encontra enquadrada em nenhum dos outros sistemas de protecção ambiental internacionais da biodiversidade.

A análise dos Planos Directores Municipais de Óbidos e de Caldas da Rainha (PDM’s) e do Plano de Ordenamento da Orla Costeira entre Alcobaça e Mafra (POOC), permite verificar uma clara desarticulação entre os dois municípios e entre estes (particularmente o de Caldas da Rainha) e o POOC, no que se refere à gestão e ordenamento da Lagoa de Óbidos, particularmente no que diz respeito à falta de regimes de protecção que vão para além do previsto no POOC e sigam o espírito de protecção nele previsto. Mesmo o POOC, prevê a existência de demasiadas infra-estruturas de apoio na praia da Foz do Arelho e estas determinam uma pressão humana demasiado grande para uma zona tão sensível, tanto devido à Lagoa de Óbidos como às falésias existentes na praia e Vila da Foz do Arelho, que estão consideradas como áreas sensíveis a proteger.
Fora da área do POOC teria sido essencial que os PDM’s previssem regimes de protecção para todas as cabeceiras drenantes para a Lagoa e tivessem sido contempladas, soluções que previssem a instalação de zonas industriais fora das mesma zona drenante, o que não acontece no PDM de Caldas da Rainha. Embora o PDM desta cidade, preveja uma urgente implementação de um sistema de recolha e tratamento de efluentes domésticos e industriais, o mesmo está longe de ser eficaz, fazendo apenas tratamento primário e drenando para a Lagoa de Óbidos. Este PDM não desobedece ao POOC mas também não avança muito para além dele, notando-se ainda uma clara opção de desenvolvimento económico centrado nas actividades turística, urbanística, agrícola e industrial sem grandes preocupações de ordem de conservação da natureza. Embora seja feita referência por mais de uma vez à necessidade de protecção da Lagoa de Óbidos, esta inclui apenas a sua envolvente mais próxima, descurando o resto da bacia de drenagem. Quanto ao PDM do Concelho de Óbidos, este encontra-se neste momento em revisão e apenas existe para consulta o Plano executado em 1995, mas podemos constatar sem muito esforço que não há concertação entre as duas Câmaras, tanto no que se refere à gestão da Lagoa em si como por exemplo no que se refere à zona de drenagem para o Rio da Cal; o assoreamento de origem fluvial será certamente potenciado pela barragem em construção no Rio Arnóia, que determinará uma perda de capacidade de carga das águas do mesmo; as medidas de abertura ao mar levadas a cabo pelo INAG, tiveram entretanto alguns resultados inesperados e levaram à instabilização das zonas arenosas junto ao Bom Sucesso, com erosão junto a edificações e risco de ruína para algumas construções; o aterro entretanto construído pela Resioste drena com frequência lexiviados não tratados para o Rio Arnóia; o empreendimento turístico com campos de golfe previsto para a Poça das Ferrarias não prevê qualquer forma de minimização de impactos nem beneficiou de um estudo de impacto ambiental prévio; a última avaliação feita pela Empresa Águas do Oeste indica um elevado potencial poluente para a Lagoa de Óbidos, proveniente de suiniculturas, sendo estas essencialmente do Concelho de Óbidos; não foi criado qualquer refúgio ornitológico como previsto e, em vez disso desenharam-se dois percursos pedestres ao longo das margens da lagoa, com pontos de observação ornitológica que talvez não tenham sido muito bem escolhidos e que poderão vir a interferir com a avifauna nela ainda existente.

Conclusões

Se a Lagoa de Óbidos, de acordo com o Instituto da Conservação da Natureza, não merece ainda a classificação de Zona Especial de Conservação ou Zona Húmida de Importância Internacional, para só mencionar estes dois estatutos de conservação, o estado de degradação física em que se encontra e que tende a acelerar-se, aponta em sentido contrário e indica claramente que é absolutamente urgente encontrar uma forma de gestão para este espaço. Esta deverá não passar pela protecção integral com proibição de todas as actividades, mas delinear uma gestão sustentável que permita salvaguardar o habitat e espécies que o integram e, reintroduzir espécies locais desaparecidas nos últimos anos, apontando para uma utilização racional que mantenha os valores culturais, económicos e sociais que fazem desta Lagoa não só um espaço natural a preservar, mas também um local em que a actividade turística de qualidade e a pesca controlada, constituem um dos factores económico-sociais a preservar. Não se pode esquecer a existência desta Lagoa e urge encontrar uma forma de gestão sustentável para a mesma, que evite a sua degradação, recupere o ecossistema natural o melhor possível e, permita que as gerações futuras continuem a poder desfrutar dos seus encantos. Se não forem tomadas medidas de conservação consistentes, esta Lagoa tenderá a degradar-se cada vez mais até um ponto em que talvez já não seja possível a sua recuperação ou, no caso de ser ainda possível, será certamente mais onerosa e difícil. Será que devemos esperar por esse estado de coisas, ou iniciar já os procedimentos necessários à sua protecção e evitar custos desnecessários no futuro?

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Passeio medieval, ponte dos três caminhos, Aldeia dos Dez e...

Praia fluvial situada na zona marginal do rio Alva, com uma variação de dois cursos de água que formam a ilha do Picoto, onde está instalada uma agradável zona de merendas.
Esta praia é constituída por dois açudes de água na zona circundante da ilha, com um ponto de passagem de peões, uma piscina infantil alimentada com água do rio, zonas de relva, equipamento para piqueniques, balneários e zonas pedonais.
 

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Viseu e arredores


terça-feira, 1 de agosto de 2017

SORRISO

À DESCOBERTA DO AMOR



Ensaia um sorriso
e oferece-o a quem não teve nenhum.

Agarra um raio de sol
e desprende-o onde houver noite.

Descobre uma nascente
e nela limpa quem vive na lama.

Toma uma lágrima
e pousa-a em quem nunca chorou.
Ganha coragem
e dá-a a quem não sabe lutar.

Inventa a vida
e conta-a a quem nada compreende.

Enche-te de esperança
e vive à sua luz.

Enriquece-te de bondade
e oferece-a a quem não sabe dar.

Vive com amor
e fá-lo conhecer ao Mundo.

Mahatma Gandhi

Piodão, Serra da Estrela, Torre e Seia


Enquanto percorremos a Serra do Açor, ao mesmo tempo que nos deixamos encantar pelo aspecto majestoso e puro da paisagem, a curiosidade e a impaciência invadem-nos... E também pelos precipícios á beira da estrada.

http://www.aldeiashistoricasdeportugal.com/piodao

Seguimos depois sem medos para a Torre da Serra da Estrela, ponto mais alto de Portugal.




Eu já enjoada de tantas curvas e contracurvas, adormeci no banco atrás... até Seia. Aonde provamos muitos queijos e paios. irresistíveis ...




~

Seguimos 

Seguimos 
Seguimos 

segunda-feira, 31 de julho de 2017

S.Giao, Penalva de Alva, Bobadela, Oliveira do Hospital

Penalva de Alva é uma antiga freguesia portuguesa do concelho de Oliveira do Hospital, com 12,12 km² de área e 926 habitantes (2011). A sua densidade populacional era 76,4 hab/km².
Foi extinta (agregada) pela reorganização administrativa de 2012/2013,[1] sendo o seu território integrado na União de Freguesias de Penalva de Alva e São Sebastião da Feira.

Foi vila e sede de concelho até meados do século XIX. Em 1801 tinha 2 157 habitantes e 37 km². Era constituído pelas freguesias da sede, Alvoco das Várzeas e São Gião. Após as reformas administrativas do início do liberalismo foi-lhe anexada a freguesia de São Sebastião da Feira e a freguesia de São Gião passou para o concelho de Sandomil. Tinha, em 1849, 2 191 habitantes e 25 km².


domingo, 30 de julho de 2017

Andorinha, Tábua

Ponte da Andorinha (Oliveira do Hospital) - Distrito de Coimbra | Guia ...

www.guiadacidade.pt/pt/poi/mapa/18700
Construída sobre o bonito rio Seia, a Ponte da Andorinha localiza-se próxima da ... Aldeia de Sevilha >9.8km; Canas de Senhorim >10.5km; Tábua >11.7km ...

domingo, 23 de julho de 2017

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Tenho saudades dentro de mim..

Tenho saudades das tuas palavras doces
Do teu abraço, do teu sorriso,
Fechava os olhos e ouvia o teu respirar
E junto do meu ouvido bom,
Dirias com a toda a certeza,
Procura o Tempo, Paciência, Amor

A vida é curta,
Podes ter 5 minutos, 5 horas, 5 dias, 5 anos, 5 décadas…
A realidade é dura e crua,
E nada é como queremos
A beleza de amar é breve e diversificada,
Que só o coração sabe sentir e mostrar.

Sentimos que tudo é uma luta, uma guerra
E tudo tem um limite e uma finalidade
Que um dia chegará ás nossas mãos,
Que um dia marcará na nossa alma,
Que um dia terás, única e exclusivamente

A tranquilidade da vida.

domingo, 16 de julho de 2017

O que nunca sabemos ou não Lembramos...


(O que antes se chamava Cultura Geral e agora pouca gente sabe... )
Os Três Reis Magos
. O árabe Baltazar: trazia incenso, significando a divindade do Menino Jesus.
. O indiano Belchior: trazia ouro, significando a sua realeza.
. O etíope Gaspar: trazia mirra, significando a sua humanidade.
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
1 - As Pirâmides do Egito
2 - As Muralhas e os Jardins Suspensos da Babilônia
3 - O Mausoléu de Helicarnasso ( ou O Túmulo de máusolo em Éfeso )
4 - A Estátua de Zeus, de Fídias
5 - O Templo de Artemisa (ou Diana)
6 - O Colosso de Rodes
7 - O Farol de Alexandria
.
As 7 Notas Musicais
A origem é uma homenagem a São João Batista, com seu hinoUtqueant laxis (dó) Para que possam
Resonare fibris ressoar as
Mira gestorum maravilhas de teus feitos
Famulli tuorum com largos cantos
Solve polluit apaga os erros
Labii reatum dos lábios manchados
Sancti Ioannis Ó São João
Os Sete Pecados Capitais
(Eles só foram enumerados no século VI, pelo papa São Gregório Magno (540-604), tomando como referência as cartas de São Paulo)
. Gula
. Avareza
.. Soberba
.. Luxúria
.. Preguiça
.. Ira
.. Inveja


As Sete Virtudes
(para combater os pecados capitais)
. Temperança.....(gula)
. Generosidade..(avareza)
. Humildade........(soberba)
. Castidade.........(luxúria)
. Disciplina.........(preguiça)
. Paciência..........(ira)
. Caridade...........(inveja)

Os Sete dias da Semana e os "Sete Planetas"
Os dias, nos demais idiomas- com excessão da língua portuguesa , mantém os nomes dos sete corpos celestes conhecidos desde os babilônios
. Domingo - dia do Sol
. Segunda - dia da Lua
. Terça - dia de Marte
Quarta - dia de Mercúrio
Quinta - dia de Júpiter
Sexta - dia de Vênus
Sábado - dia de Saturno

As Sete Cores do Arco-Íris
Na mitologia grega, Íris era a mensageira da deusa Juno. Como descia do céu num facho de luz e vestia um xale de sete cores, deu origem à palavra arco-íris. A divindade deu origem também ao termo íris, do olho.
. Vermelho
. Laranja
. Amarelo
. Verde
. Azul
. Anil
. Violeta

Os Doze Meses do Ano
- Janeiro: homenagem ao Deus Janus, protetor dos lares
- Fevereiro: mês do festival de Februália (purificação dos pecados), em Roma;
- Março: em homenagem a Marte, deus guerreiro;
- Abril: derivado do latim Aperire (o que abre). Possível referência à primavera no Hemisfério Norte;
- Maio: acredita-se que se origine de maia, deusa do crescimento das plantas;
- Junho: mês que homenageia Juno, protetora das mulheres;
- Julho: no primeiro calendário romano, de 10 meses, era chamado de quintilis (5º mês). Foi rebatizado por Júlio César;
- Agosto: inicialmente nomeado de sextilis (6º mês), mudou em homenagem a César Augusto;
- Setembro: era o sétimo mês. Vem do latim septem;
- Outubro: na contagem dos romanos, era o oitavo mês;
- Novembro: vem do latim novem (nove);
- Dezembro: era o décimo mês

Os Doze Apóstolos
1 - Simão Pedro
2 - Tiago ( o maior )
3 - João
4 - Filipe
5 - Bartolomeu
6 - Mateus
7 - Tiago ( o menor )
8 - Simão
9 - Judas Tadeu
10 - Judas Iscariotes
11 - André
12 - Tomé.

***Após a traição de Judas Iscariotes, os outros onze apóstolos elegeram Matias para ocupar o seu lugar.

Os Doze Profetas do Antigo Testamento
1 - Isaías
2 - Jeremias
3 - Jonas
4 - Naum
5 - Baruque
6 - Ezequiel
7 - Daniel
8 - Oséias
9 - Joel
10 - Abdias
11 - Habacuque
12 - Amos


Os Quatro Evangelistas e a Esfinge
. Lucas (representado pelo touro)
. Marcos (representado pelo leão)
. João (representado pela águia)
. Mateus (representado pelo anjo)

Os Quatro Elementos e os Signos
. Terra (Touro - Virgem - Capricórnio)
. Água (Câncer - Escorpião - Peixes)
. Fogo (Carneiro - Leão - Sagitário)
. Ar (Gêmeos - Balança - Aquário)

As Musas da Mitologia Grega
(a quem se atribuía a inspiração das ciências e das artes)
1 - Urânia ( astronomia )
2 - Tália ( comédia )
3 - Calíope ( eloqüência e epopéia )
4 - Polímnia ( retórica )
5 - Euterpe ( música e poesia lírica )
6 - Clio ( história )
7 - Érato ( poesia de amor )
8 - Terpsícore ( dança )
9 - Melpômene ( tragédia )

Os Sete Sábios da Grécia Antiga
1 - Sólon
2 - Pítaco
3 - Quílon
4 - Tales de Mileto
5 - Cleóbulo
6 - Bias
7 - Períandro


Os Múltiplos de Dez
(os prefixos usados em Megabytes, Kilowatt, milímetro...)
NOME (Símbolo) = fator de multiplicação
Yotta (Y)  =  1024 = 1.000.000.000.000.000.000.000.000
Zetta (Z) =  1 021 = 1.000.000.000.000.000.000.000
Exa (E) =   1018 = 1.000.000.000.000.000.000
Peta (P) =  1015 = 1.000.000.000.000.000
Tera (T) =   1012 = 1.000.000.000.000
Giga (G) =    109 = 1.000.000.000
Mega (M) =   106 = 1.000.000
kilo (k)  =  10 3 = 1.000
hecto (h)  =  102 = 100
deca (da)   = 101 = 10
uni = 10 0  = 1
deci d, 10-1 = 0,1
centi c, 10-2 = 0,01
mili m, 10-3 = 0,001
micro µ, 10-6 = 0,000.0001
nano n, 10 -9= 0,000.000.001
pico p, 10-12 = 0, 000.000.000.001
femto f, 10-15 = 0,000.000.000.000.001
atto a, 10 -18 = 0,000.000.000.000.000.001
zepto z, 10-21 = 0,000.000.000.000.000.000.001
yocto y, 10 -24 = 0,000.000.000.000.000.000.000.001

exa..................deriva da palavra grega "hexa" que significa "seis".
penta...............deriva da palavra grega "pente" que significa "cinco".
tera..................do grego "téras" que significa "monstro".
giga..................do grego "gígas" que significa "gigante".
mega...............do grego "mégas" que significa "grande".
hecto...............do grego "hekatón" que significa "cem".
deca.................do grego "déka" que significa "dez".
deci..................do latim "decimu" que significa "décimo".
mili...................do latim "millesimu" que significa "milésimo".
micro...............do grego "mikrós" que significa "pequeno".
nano.................do grego "nánnos" que significa "anão".
pico..................do italiano "piccolo" que significa "pequeno".

Conversão entre unidades
cavalo-vapor     1 cv = 735,5 Watts
horsepower       1 hp = 745,7 Watts
polegada           1 in (1??) = 2,54 cm
pé                    1 ft (1?) = 30,48 cm
jarda                1 yd = 0,9144 m
angström          1 Å = 10-10 m
milha marítima       =1852 m
milha terrestre  1mi = 1609 m
tonelada           1 t = 1000 kg
libra                 1 lb = 0,4536 kg
hectare             1 ha = 10.000 m2
metro cúbico    1 m3 = 1000 l
minuto             1 min = 60 s
hora                 1 h = 60 min = 3600 s
grau Celsius       0 ºC  = 32 ºF   = ?273 K (Kelvin)
grau fahrenheit  =32+(1,8 x ºC


Os Dez Números Arábicos
Os símbolos tem a ver com os ângulos
o 0 não tem ângulos
o número 1 tem 1 ângulo
o número 2 tem 2 ângulos
o número 3 tem 3 ângulos
etc...
As Datas de Casamento
1 ano  -  Bodas de Algodão
2 anos - Bodas de Papel
3 anos - Bodas de Trigo ou Couro
4 anos - Bodas de Flores e Frutas ou Cera
5 anos - Bodas de Madeira ou Ferro
10 anos - Bodas de Estanho ou Zinco
15 anos - Bodas de Cristal
20 anos - Bodas de Porcelana
25 anos - Bodas de Prata
30 anos - Bodas de Pérola
35 anos - Bodas de Coral
40 anos - Bodas de Rubi ou Esmeralda
45 anos - Bodas de Platina ou Safira
50 anos - Bodas de Ouro
55 anos - Bodas de Ametista
60 anos - Bodas de Diamante ou Jade
65 anos - Bodas de Ferro ou Safira
70 anos - Bodas de Vinho
75 anos - Bodas de Brilhante ou Alabastre
80 anos - Bodas de Nogueira ou Carvalh
o
Os Sete Anões
. Dunga
. Zangado
.. Atchin
.. Soneca
.. Mestre
.. Dengoso
.. Feliz
E também curiosidades:
1 - Durante a Guerra de Secessão, quando as tropas voltavam para o quartel após uma batalha sem nenhuma baixa, escreviam numa placa imensa: " O Killed " ( zero mortos ).. Daí surgiu a expressão " O.K. ". Para indicar que tudo está bem.
2 - Nos conventos, durante a leitura das Escrituras Sagradas, ao se referir a São José, diziam sempre " Pater Putativus ", ( ou seja: "Pai Suposto" ) abreviando em P.P .". Assim surgiu o hábito, nos países de colonização espanhola, de chamar os "José" de "Pepe".
3 - Cada rei no baralho representa um grande Rei/Imperador da história
. Espadas: Rei David ( Israel )
.. Paus: Alexandre Magno ( Grécia/Macedônia )
.. Copas: Carlos Magno ( França )
.. Ouros: Júlio César ( Roma )

4 - No Novo Testamento, no livro de São Mateus, está escrito   " é mais fácil um camelo passar pelo buraco  de  uma  agulha  que  um  rico entrar no Reino dos Céus "...  O problema é que São Jerônimo, o tradutor do texto, interpretou a palavra " kamelos " como camelo, quando na verdade, em grego, "kamelos" são as cordas grossas com que se amarram os barcos. A idéia da frase permanece a mesma, mas qual parece mais coerente?
5 - Quando os conquistadores ingleses chegaram a Austrália, se assustaram ao ver uns estranhos animais que davam saltos incríveis. Imediatamente chamaram um nativo ( os aborígenes australianos eram extremamente pacíficos ) e perguntaram qual o nome do bicho. O índio sempre repetia " Kan Ghu Ru ", e portanto o adaptaram ao inglês, " kangaroo" ( canguru ).
Depois, os lingüistas determinaram o significado, que era muito claro: os indígenas queriam dizer: "Não te entendo ".
6 - A parte do México conhecida como Yucatán vem da época da conquista, quando um espanhol perguntou a um indígena como eles chamavam esse lugar, e o índio respondeu " Yucatán ". Mas o espanhol não sabia que ele estava informando " Não sou daqui ".
7 - Existe uma rua no Rio de Janeiro, no bairro de São Cristóvão, chamada "PEDRO IVO". Quando um grupo de estudantes foi tentar descobrir quem foi esse tal de Pedro Ivo, descobriram que na verdade a rua homenageava D.Pedro I, que quando foi rei de Portugal, foi aclamado como "Pedro IV" (quarto).
Pois bem, algum dos funcionários da Prefeitura, ao pensar que o nome da rua fora grafado errado, colocou um " O " no final do nome. O erro permanece até hoje.