Meus outros blogs:

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Foi almoçar a casa...‏

Numa galeria de arte, uma mulher está parada em frente de um quadro muito estranho, cujo nome é: 'Foi almoçar a casa'.

Nele, estão representados três homens todos negros, nus, sentados num banco de jardim, com os seus pénis em primeiro plano. Mas,curiosamente, o homem do meio tem o pénis cor-de-rosa...
- Desculpe-me - diz a mulher ao funcionário da galeria- eu estou curiosa a respeito desses negros. Por que é que o homem do meio tem o pénis cor-de-rosa?
O funcionário responde:
-Receio que a senhora não tenha interpretado bem o quadro. Esses homens não são negros; eles estão negros porque trabalham numa mina de carvão, e o homem que está sentado no meio...'Foi almoçar a casa'...!

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Lisboa Goesa

Uma Lisboa Goesa com Gonzaga Coutinho, Dr Teotonio e Ekvat (Aonde aparecem as dancarinas com a nova coreografia).
http://www.rtp.pt/play/?tvprog=28733&idpod=78490

terça-feira, 29 de maio de 2012

Ovo Fabergé

Ovo Fabergé 


"Pedro, o Grande", 1903Os Ovos Fabergé são obras-primas da joalharia produzidas por Peter Carl Fabergé e seus assistentes no período de 1885 a 1917 para os czares da Rússia. Os ovos, cuidadosamente elaborados com uma combinação de esmalte, metais e pedras preciosas, escondiam surpresas e miniaturas encomendados e oferecidos na Páscoa entre os membros da família imperial. Disputados por colecionadores em todo o mundo, os famosos ovos de Páscoa criados pelo joalheiro russo são admirados pela perfeição e considerados expoentes da arte joalheira.

Fabergé e seus ourives desenharam e construíram o primeiro ovo em 1885. Ele foi encomendado pelo czar Alexandre III como um presente de Páscoa para sua esposa Maria Feodorovna. Exteriormente ele parecia um simples ovo de ouro esmaltado, mas ao abri-lo, revelava-se uma gema de ouro, que dentro de si possuía uma galinha, que por sua vez continha um pingente de rubi e uma réplica em diamante da coroa imperial. Tais características lembram os bonecos matrioska.

A imperatriz Maria ficou tão impressionada com o presente, que Alexandre acabou por nomear Fabergué como o "fornecedor da corte" e passou a encomendar um ovo por ano, sob a determinação de que este fosse único e contivesse uma surpresa. Seu filho, Nicolau II, deu sequência à tradição e anualmente presenteava sua esposa, Alexandra Feodorovna.

Cinqüenta ovos imperiais foram produzidos para os czares Alexandre III e Nicolau II, ademais, outras dessas jóias também foram encomendadas por membros da nobreza.

Assim que um tema era escolhido, uma equipe de artesãos - dentre os quais Michael Perkhin, Henrik Wigström e Erik August Kollin - começava a trabalhar no projeto. Dezenas de clientes particulares apareceram com fama despertada pelos ovos imperiais.

MateriaisOs materiais utilizados por Fabergé incluíam os metais prata, ouro, cobre, níquel, paládio e platina que eram combinados em proporções variadas a fim de produzirem diversas cores. Além de utilizar a técnica de esmaltagem plique-à-jour assim como pedras preciosas como rubi, quartzo, diamante, jade, ágata.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Zoo de Lisboa

O Jardim Zoológico de Lisboa comemorou 28 anos de existência dedicados ao reino animal. Um local que acolhe mais de 2.000 bichos pertencentes a cerca de 360 espécies diferentes.


O Zoo tem realizado um trabalho exaustivo enquanto educador e promotor da conservação e preservação do mundo animal, sensibilizando para as ameaças e peculiaridades de cada espécie. Os visitantes podem visitar os seus animais favoritos e ainda acompanhar o crescimento das novas crias, como o pequeno Hipopótamo-pigmeu, as Girafas-de-angola, os dois Ádax e duas Palanca-ruana

Muito mudou na vida deste parque, que em tempos tinha como maior atracção o elefante que tocava ao sino quando recebia uma moedinha. Agora as atenções estão viradas para os golfinhos, a alimentação dos leões-marinhos e a apresentação das aves e répteis e ainda o teleférico, que permite uma vista privilegiada sobre o parque e a vida de todos estes animais.

http://www.zoo.pt/main.aspx

domingo, 27 de maio de 2012

Pentecostes


Pentecostes (em grego antigoπεντηκοστή [ἡμέρα], pentekostē [hēmera], "o quinquagésimo [dia]") é uma das celebraçőes importantes do calendário cristão, e comemora a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo. O Pentecostes é celebrado 50 dias depois do domingo de Páscoa. O dia de Pentecostes ocorre no décimo dia depois do dia da Ascensão de Jesus
Pentecostes é histórica e simbolicamente ligado ao festival judaico da colheita, que comemora a entrega dos Dez mandamentos no Monte Sinai cinquenta dias depois doÊxodo. Para os cristāos, o Pentecostes celebra a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos e seguidores de Cristo, através do dom de línguas, como descrito no Novo Testamento, durante aquela celebração judaica do quinquagésimo dia em Jerusalém. Por esta razão o dia de Pentecostes é às vezes considerado o dia do nascimento da igreja. O movimento pentecostal tem seu nome derivado desse evento.


Pentecostes é o símbolo do Cenáculo, onde os Apóstolos se reuniram, pela primeira vez, à espera do Espírito Santo. No Cenáculo, desde a fundação, a comunidade cristã aí se reúne, para ser conduzida pelo Sopro Inspirador, compartilhando o amor em Cristo. Atualmente o 50.º dia após a Páscoa é considerado pelos cristãos o dia de Pentecostes. Pentecostes é quando o Espírito Santo visita os apóstolos e desce sobre eles, na forma de fogo (mera representação). A partir daí os apóstolos passam a pregar o Evangelho em línguas estranhas: Há ação do Espírito Santo no ser humano sempre que este se converte dos seus pecados, pelo arrependimento, e passa a crer em Jesus Cristo como único e suficiente Senhor e Salvador, pedindo a Deus que lhe revista e encha do Espírito Santo. Tal experiência é chamada de batismo no Espírito Santo. Isto tem ocorrido durante toda a história do cristianismo, sendo enfatizado, especialmente, em meados do século XX com o surgimento das primeiras Igrejas Pentecostais, as quais enfatizam os dons do Espírito, ou pelos membros da Renovação Carismática Católica (RCC) que, seguindo a doutrina e as diretrizes de sua Igreja, fazem o mesmo.

sábado, 26 de maio de 2012

sexta-feira, 25 de maio de 2012

quinta-feira, 24 de maio de 2012

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Business

terça-feira, 22 de maio de 2012

Desilusão dentro de uma ilusão

Por mais doloroso que possa ser vivenciar a desilusão,o processo anterior de nos iludirmos é parte da construção de nossa capacidade de suportar perdas, e de criar mecanismos que nos sustentem para enfrentá-la.
Quando nos apaixonamos por alguém, um manancial de ilusões, esperanças e expectativas toma conta de nossa vida.
Tantas vezes, se desiludidos, podemos acolher nossas lágrimas, acalmar nossa magoada e sufocada respiração.
Se temos uma base forte, sobreviveremos.
A confiança básica se manterá sólida, nos dará forças e coragem para buscar novas ilusões, fantasias, cada vez mais viáveis e realizáveis.
É a aprendizagem pela dor vivenciada, a desilusão experimentada, sofrida mas que nos fortalece.
Esta confiança básica forte, nos permite arriscar, ousar, ir além da mesmice dos medíocres aos quais falta coragem para agir com audácia, temem e fogem do amar pelo simples facto de não sobreviver a uma possível desilusão.
Quantas desilusões já tive, quanta dor profunda em minha alma machucada, o desfazer de cada uma delas me fez chorar de dor, decepção, como se nunca mais um pudesse resgatar um outro amor dentro de mim.
Eram pessoas que eu amava tanto, admirava tanto, heróis de gente grande, eram parte de meu ser, armas de sobrevivência ganhas por merecimento de um convívio saudável e amoroso. Como eu investi, na ilusão iluminada que cada uma me ofereceu em todos os momentos que de mãos dadas sorrimos, ou abraçadas, me senti acolhido e protegido da dor.

Tempos atrás, eu tinha uma galáxia de estrelas ao meu redor, era ingênuo e cego por acreditar que aquilo era perfeito demais, confiante, não havia malícia, todos me pareciam repletos de um sincero afecto por mim, me passavam uma energia celestial, que me impulsionava para o alto, eu confiava de forma profunda e cegamente.
E havia também o grande astro Sol, o maior e mais iluminado amor deste infinito espaço que é um coração apaixonado.
Era minha luz de todos os caminhos, espectro convergente de todas os meus desejos e atenções.
Energia eletromagnética que me mantinha extasiado em sua órbita, que eu acompanhava incansável e fascinado todos os movimentos, imantadamente atento a todos os seus desejos. Pouco a pouco, os desafios que a vida nos exige, faz com que tenhamos de enfrentar a verdade, abandonar a ingenuidade, não nos dá mais a possibilidade de enganarmos-no com ursinhos, fantasias e expectativas inviáveis.
Existe espaço para uma única coisa, a desilusão que denuncia a necessária verdade.
Sem ela não há crescimento ou amadurecimento.
Viver só na fantasia,é um passo para a loucura.
É uma ilusão dentro da ilusão.

Por toda esta vida, nos desiludimos com as estrelas que criamos a nossa volta para amar, com o Sol que escolhemos para adorar, quando chegamos no final desse caminho, mudamos, apenas sei que nos transforma, nos faz ser outro alguém, nos dá uma coisa eu sei: Nos marca para sempre.
Desilusão é uma parte integrante do meu dia a dia.
Em suma a família é aquela que em principio estará lá sempre e nunca nos desiludirá, mas essa é uma certeza ou uma sensação que já não tenho.
Tenho a certeza que não há elemento da minha esfera de conhecimento que não me tenha, por maior ou menor que seja a razão, desiludido. As pessoas não são aquilo que esperamos delas, são o que são e teremos, se quisermos, de gostar delas tal e qual como são, como aprenderam a ser ou como a vida fez com que elas fossem.
Li uma vez que as pessoas nunca mudam verdadeiramente, podem adaptar-se e moldar-se à vida e ao mundo mas no fundo são aquelas mesmas pessoas que sempre foram!
Será que é pecado esperar das pessoas, esperar atitudes, sentimentos, considerações?
Ou o único inconveniente é mesmo só nosso, já que é certo que essas mesmas pessoas não irão com certeza agir como esperamos que elas ajam!
Será que para diminuir a desilusão que sentimos dependemos apenas de nós e da visão que temos do mundo e das pessoas, as vezes é uma visão um pouco romântica e demasiado cinematográfica?!

Devemos vê-las apenas como aquilo que realmente são e não aquilo que queremos que elas sejam?
A imagem de pessoas perfeitas tem que acabar, não existe perfeição como um todo, apenas um visão particular de perfeição que pode ser a nossa mas não a da pessoa que está ao nosso lado.
Somos diferentes e, ou nos respeitamos nessa mesma diferença, ou então o mundo e as relações não valem a pena.
Aprender connosco e aprender com os outros.
Que a nossa perfeição seja parte da perfeição dos outros e que a dos outros venham como mais valia para nós e nos faça sermos melhores como pessoas e seres humanos.
Aprender a respeitar a diferença, aquilo que não é o que acreditamos mas é na realidade o que outros acreditam.
Crescer é uma parte fundamental do ser humano, ter a capacidade de pensar e de com esse pensamento evoluir.
Ás vezes é preciso cair mil vezes, só para que se tenha a noção que se pode e se consegue 'levantar' e, mesmo com o orgulho ferido, levantar a cabeça devagar e caminhar com esperança no futuro porque no fim de tudo a queda não foi apenas uma queda, foi apenas mais um degrau que se subiu nesta grande escada que é a vida.

Não me considerem intelectual demais nem com a mania que tem uma veia poética, me vejam apenas como alguém de rapariga de que tem duvidas sobre a vida, sobre as relações humanas mas que no fundo gosta mesmo de parar para pensar e tentar entender aquilo que não entende, mesmo que isso se venha a revelar uma mágoa.
É apenas isso.
Arrependimento e remorso.
São duas coisas diferentes, nesse círculo de coisas tristes, estas duas palavras habitam esse universo de forma modesta, o arrependimento chega com os anos e costuma chegar muito tarde, só quando há muito "gostar", a situação se torna á favor daquele que machuca e tudo segue seu ciclo, a amizade volta, o amor volta.
Em contrapartida, o arrependimento também vêm com o tempo, por mais que a pessoa invista num modo de consertar seus erros a situação muda mas não muda tanto.
São dois estranhos vivendo uma coisa totalmente nova porque o lado que magoou tenta retroceder voltando atrás pensando que tudo o que foi vivido ainda é conservado.
Na verdade é conservado mas a dor causada pelo mágoa muda qualquer ser humano.
Ninguém volta a ser aquele que já foi um dia, e sabe o mais trágico disso?
Por culpa de pessoas que sequer merecem ter cruzado nosso caminho, além de nos machucarem, ainda nos deixam uma lembrança gravada dentro do nosso mecanismo cerebral.
Que infelizmente não se apaga, a menos que a felicidade apareça de forma permanente, mas como ser feliz é um luxo pra poucos nesse mundo, então a vida segue seu curso dessa forma.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

domingo, 20 de maio de 2012

Bondade e Simplicidade

Estas duas palavras exprimem o que, no essencial, foi a vida do irmão Roger. “...Nunca perdi a intuição de que uma vida em comunidade pode ser um sinal de que Deus é amor; só amor. Pouco a pouco crescia em mim a convicção de que era essencial criar uma comunidade de homens decididos a dar toda a sua vida, e que procurassem sempre compreender-se mutuamente e reconciliar-se: uma comunidade onde a bondade do coração e a simplicidade estivessem no centro de tudo.”


Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... O coração de bondade sabe escutar os sonhos e as alegrias da Humanidade, mas também se torna atento às urgências de todos os injustiçados e de quantos sofrem dores e infelicidades...

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... O coração que se sustenta da bondade, tem os braços abertos para compartilhar contentamentos e, nas situações endurecidas, os seus passos são itinerários de luz...

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... Viver na bondade é cuidar do coração com a delicadeza com que se trata de uma planta: se a descuidamos no alimento, se a retiramos da luz, definha e morre. Dar lugar às sombras de violência e de egoísmo é não permitir ao coração crescer na confiança...

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... Basílio, um cristão do séc. IV, escreveu: “Alcançando a bondade, passas a ser semelhança de Deus”.

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... A misericórdia é o fogo que alimenta a bondade. Uma vida sustentada na compaixão permite-nos discernir, em nós e nos outros, a profundidade da alma humana...

"Se perdermos a misericórdia, fogo interior de inesgotável BONDADE, o que nos restaria?"

Como (re)construir o tempo de esperança? Como pequeninas luzinhas na escuridão, a bondade de coração marca a diferença na noite deste tempo que nos impõem.

Ultrapassar um passado doloroso exige reconciliação. Não apenas com tudo o que foi contraditório, mas sobretudo com a realidade de hoje, ainda condicionada pelo passado. A RECONCILIAÇÃO possibilita não perder tempo no labirinto da dor e discernir um dom único... O dom da bondade que passará a conduzir os nossos passos!

sábado, 19 de maio de 2012

Manhas saborosas


Abril
Bom dia, buzuzu
Bom dia, mosca aquática
Bom dia, amor
Bom dia, espinafre XXI
Boa tarde, caranguejo beijoqueiro
Bom dia, xerém
Bom dia, rabanete aristocrata
Bom dia, pulga atómica
A maçonaria vende maçanetas? Conheces algum taxista lennista?
Bom dia, cara barata
Bom dia, pizza dourada
Boa tarde, tromba del rey juan Carlos
Bom dia, alegria dos bosques lusitanos
Bom dia, essência da abundancia de todos os aromas de todas as flores, de todos os frutos, de todas as diversidades de todas as cores, tons, e sons de todas as primaveras.
Bom dia, pinto liberal
Bom dia, delicia da Narazé
Bom dia, sardinha lusa
Bom dia, ternura de Abril
Bom dia, manha de liberdade!
Bom dia, peixe astral
Bom dia, virtual lombriga
Bom dia, buzio voador
Xika! Bgd
Bom dia, amora
Bom dia, pomba branca
Bom dia, amigo bom
Bom dia, baleias de alegrias
Bom dia,  xuxu
Bom dia, iluminado
Bom dia, pulga
Lol, santa ou beata?

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Ekvat com Gonzaga Coutinho

18 Maio - Shangri-LÁ Goa - Auditório do Museu do Oriente - Alcantara as 21.30

Shangri-lá Goa é o último trabalho de Gonzaga Coutinho, um documento musical de canções populares e tradicionais de Goa.

No concerto que traz ao Museu do Oriente, o músico apresenta um conjunto de melodias felizes e serenas, com um toque de tradição cultural portuguesa que ainda se faz sentir em Goa. Trata-se de canções que se mantiveram intemporais e que Gonzaga decidiu gravar com uma roupagem musical mais atualizada, embora mantendo sempre a raiz original.

Os temas musicais são cantados em concanim, dialeto goês, e Gonzaga contou com a participação de Rão Kyao, Carlos Guilherme, Susana Brito, Grupo EKVAT d Casa de Goa, além de um excelente grupo de músicos.

Gonzaga Coutinho, pianista, cantor, autor e compositor nascido em Moçambique obteve toda a sua inspiração musical nos anos 60. Possuidor de um talento e uma vasta experiência musical adquirida ao longo da sua carreira, tem despertado inúmeras simpatias por todo o país e estrangeiro. Em 2002 gravou o seu primeiro álbum Índico, com a participação de Rão Kyao, Olavo Bilac, Dani Silva entre outros. "Seguiu-se, em 2006, Saudades do Tom, um tributo português ao maestro Tom Jobim, e que contou com a colaboração de músicos como Rui Veloso, Ivan Lins e Sofia Vitória. Shangri-lá Goa, um CD de 10 canções de música tradicional goesa, é o seu mais recente trabalho.
http://www.gonzagacoutinho.com/

Gonzaga Coutinho (voz e piano), Ernesto Leite (direcção musical, teclado e viola), Rita Mendes (violino), Marcos Britto (contrabaixo), Francisco Fernandes (percussão oriental), Susana Brito (voz e coros).

ARTISTAS CONVIDADOS: RÃO KYAO, CARLOS GUILHERME, SUSANA BRITO E GRUPO EKVAT (Casa de Goa)

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Farmácia

Um homem entra numa pequena farmácia. Quando percebe que a única pessoa que atende no balcão é uma velhinha, desiste de pedir o que desejava e para disfarçar, pede só um sabonete.

A velha nota o ar de preocupação do sujeito e diz-lhe:
- O senhor não entrou aqui só para comprar um sabonete! Eu e minha sócia estamos neste ramo há mais de quarenta anos! Já atendemos tudo quanto foi caso! O senhor não precisa de ficar envergonhado, qual é o seu problema?
O homem resolve abrir-se:
- Sabe o que é? É um problema de natureza sexual! Quando eu tenho uma erecção, ela prolonga-se por horas e horas! Não há nada que faça o meu pénis baixar! Eu posso ter relações, posso masturbar-me que ele continua erecto por muito tempo! A senhora tem alguma coisa para me dar para isso?
A dona da farmácia diz que vai consultar a sócia e desaparece por alguns minutos. Depois aparece com outra velhinha e diz:
- O que eu e minha sócia lhe podemos dar são quatrocentos euros por mês, mais cama, comida e roupa lavada...

PAZ DE CORAÇÃO

Porque ficamos, por vezes, presos de um passado doloroso? Perder tempo num interrogatório permanente, amargurarmo-nos com inexplicáveis contradições não conduz à paz de coração... A PAZ DE CORAÇÃO só é possível num caminho de busca. De busca da claridade e não da noite!

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Dor no ciático

Saiba o que é a dor do nervo ciático, quais as causas, os sintomas, o tratamento e a forma de prevenção do problema.
A dor do nervo ciático é causada pela inflamação deste nervo, percorre a região da glútea e a parte posterior das pernas. Pessoas que ficam sentadas durante muito tempo, como motoristas de ônibus e táxi, são alvos preferenciais da dor do nervo ciático. Isso acontece porque o fêmur, osso da coxa, pode comprimir o nervo ciático e provocar dores. Essa dor pode surgir também quando se está em pé ou caminhando e ocorre uma contração muscular que comprime o nervo. Idosos e mulheres que usam salto alto com freqüência também estão mais propensos a ter a inflamação.

Uma das causa da dor do nervo ciático é a hérnia de disco, que é o deslocamento da substância gelatinosa que age como uma “almofada” entre diferentes vértebras que integram a coluna. Os discos formam hérnias por enfraquecimento, sobrecargas ou movimentos bruscos. Além da hérnia o problema também pode ser causado por uma afecção artrítica das vértebras ou um tumor. Dores semelhantes às causa das pelo nervo ciático podem ser sintomas de outras doenças, o que exige consulta médica para o diagnóstico e tratamento adequado.

O primeiro sintoma é uma dor intensa ao longo de toda a extensão do nervo ciático, que, em geral, só desaparece quando a pessoa deita. Quando o ataque é forte, tende-se a contrair a região lombar e a dobrar a perna dolorida.

O repouso é o melhor remédio para a inflamação do nervo ciático. A dor também pode ser atenuada com uma postura que relaxe o nervo, como a flexão dos joelhos, como as costas bem apoiadas em uma superfície plana e moderadamente rígida. Os ataques do nervo ciático devido à hérnia de disco pode prolongar-se por várias semanas e, neste caso, o médico sugere repouso e, de acordo com a intensidade da dor, antiinflamatórios e compostos vitamínicos do grupo B. Nos casos de hérnia de disco, a alternativa é a cirurgia.

Os adultos, especialmente aqueles com problemas nas costas, devem evitar movimentos bruscos e não carregar peso. Os que pertencem a este grupo de risco podem fortalecer a musculatura das costas com exercícios suaves e controlados. Também é recomendável o uso de sapatos confortáveis. O salto alto do calçado feminino tende a acentuar a carga do peso do corpo na região inferior das costas, e, por isso, o seu uso deve ser limitado.

http://www.unimed.com.br/unimed/portal/index.jsp

terça-feira, 15 de maio de 2012

Silêncio

Porque que o silêncio

Dói mais
Do que uma simples palavra
Vindo de ti,
Porque que o ver-te perto
Amachuca mais
Do que ver-te ao longe,
Porque que o não te ver
Deixa mais saudades
Do que estarmos longe,
Porque que o que não existe entre nós
Marca mais
Do que os laços que nos unem,
Porque que quando nada queremos,
Cresce sempre algo dentro nós,
E quando mais cresce
Mais custa a tirar,
E quando maior for,
Maior é a queda
E num ápice de segundos
Nos atira para a lama.
Porque um olhar meigo, serenos
Que nos a abraça interiormente
Que nos deixa alegres
Que nos seduz ao vivo
Nos deixam desiludidas da vida

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Pedras no caminho?

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo, e que posso evitar que ela vá a falência.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas.
Um dia vou construir um castelo..."

(Fernando Pessoa)
Enviado pelo Xuxu

domingo, 13 de maio de 2012

13 de Maio em Fátima


Nossa Senhora de Fátima (ou Nossa Senhora do Rosário de Fátima) é uma das designações atribuídas à Virgem Maria que, segundo os relatos da época e da Igreja Católica, apareceu repetidamente a três pastores, crianças na altura das aparições, no lugar de Fátima, tendo a primeira aparição acontecido no dia 13 de Maio de 1917. Estas aparições continuaram durante seis meses seguidos, sempre no mesmo dia (exceptuando em Agosto). A aparição é associada também a Nossa Senhora do Rosário, sendo portanto aceito a combinação dos dois nomes - dando origem a "Nossa Senhora do Rosário de Fátima" - pois, segundo os relatos, "Nossa Senhora do Rosário" teria sido o nome pelo qual a Virgem Maria se haveria identificado, dado que a mensagem que trazia consigo era um pedido de oração, nomeadamente, a oração do Santo Rosário.




BONDADE E SIMPLICIDADE

Estas duas palavras exprimem o que, no essencial, foi a vida do irmão Roger. “...Nunca perdi a intuição de que uma vida em comunidade pode ser um sinal de que Deus é amor; só amor. Pouco a pouco crescia em mim a convicção de que era essencial criar uma comunidade de homens decididos a dar toda a sua vida, e que procurassem sempre compreender-se mutuamente e reconciliar-se: uma comunidade onde a bondade do coração e a simplicidade estivessem no centro de tudo.”

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... O coração de bondade sabe escutar os sonhos e as alegrias da Humanidade, mas também se torna atento às urgências de todos os injustiçados e de quantos sofrem dores e infelicidades...

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... O coração que se sustenta da bondade, tem os braços abertos para compartilhar contentamentos e, nas situações endurecidas, os seus passos são itinerários de luz...

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... Viver na bondade é cuidar do coração com a delicadeza com que se trata de uma planta: se a descuidamos no alimento, se a retiramos da luz, definha e morre. Dar lugar às sombras de violência e de egoísmo é não permitir ao coração crescer na confiança...

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... Basílio, um cristão do séc. IV, escreveu: “Alcançando a bondade, passas a ser semelhança de Deus”.

Só pela bondade reencontraremos a nossa HUMANIDADE... A misericórdia é o fogo que alimenta a bondade. Uma vida sustentada na compaixão permite-nos discernir, em nós e nos outros, a profundidade da alma humana...

"Se perdermos a misericórdia, fogo interior de inesgotável BONDADE, o que nos restaria?"

Como (re)construir o tempo de esperança? Como pequeninas luzinhas na escuridão, a bondade de coração marca a diferença na noite deste tempo que nos impõem.

Ultrapassar um passado doloroso exige reconciliação. Não apenas com tudo o que foi contraditório, mas sobretudo com a realidade de hoje, ainda condicionada pelo passado. A RECONCILIAÇÃO possibilita não perder tempo no labirinto da dor e discernir um dom único... O dom da bondade que passará a conduzir os nossos passos!

sábado, 12 de maio de 2012

Antigona

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Maças Azuis de Edite Gaitonde

Se a exemplar figura do marido, o Dr. Pundlik Gaitonde, personalidade ímpar no movimento anticolonialista goês, se destaca na narrativa, conferindo-lhe a natureza de uma importante fonte da história, a protagonista do livro é Edila Gaitonde - por muito longe que isso tivesse estado da intenção da autora. É ela que, numa narrativa despretensiosa mas quase cinematográfica, nos vai guiando, com leveza, ironia subtil e abertura de espírito, pelos ambientes contrastantes que viveu.» António Manuel Hespanha

Edila Gaitonde, natural da Horta, Açores (família Dutra de Andrade), tirou o curso do Conservatório de Música de Lisboa.
Posteriormente fez a qualificação como professora do ensino liceal e foi professora em Nova Deli e em Londres. Trabalhou igualmente como locutora dos serviços externos da All India Radio em Nova Deli.
Publicou In Search of Tomorrow (1987 e 2011) e The Tulsi and Other Short Stories from Goa (2011) e tem no prelo Edmund, the Mariner. A autora é viúva de Pundlik Gaitonde, médico goês que se opôs ao  regime salazarista e que veio a ser o primeiro representante hindu de Goa no Parlamento de Nova Deli após a libertação em 1961.
 
http://www.casadegoa.org/files/MacasAzuis.pdf

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Noção das hierarquias

Depois de arrumar toda a bagagem do Papa Bento XVI (e ele não viaja ligeiro), o motorista reparou que o Papa ainda se encontrava no exterior do veículo.

-"Desculpe-me Sua Santidade", disse o motorista, "Não se importa de ocupar o seu lugar para que possamos seguir?".
-"Bem, para dizer a verdade", diz o Papa, "No Vaticano nunca me deixavam conduzir quando era Cardeal, como Papa ainda menos, e apetecia-me mesmo conduzir hoje!".
-"Desculpe-me Sua Santidade, mas não posso fazer isso. Perderia o meu emprego! E se acontecesse alguma coisa?" protestou o motorista, desejando não ter ido trabalhar nessa manhã.
-"E quem é que vai contar?- diz o Papa com um sorriso.
Relutantemente, o motorista senta-se atrás, enquanto o Papa ocupa o lugar ao volante.
O motorista imediatamente se arrepende pois, mal deixam o aeroporto, o Papa mete o prego a fundo acelerando a limusina até aos 205 km/h (lembrem-se que o Papa é alemão).
-"Por favor, Sua Santidade!" implora o preocupado motorista; mas o Papa continua com o prego a fundo até que se ouvem sirenes.
-"Oh, meu Deus, vou perder a minha carta de condução e o emprego!", soluçava o motorista.
O Papa encosta a limusina e desce o vidro quando o polícia se aproxima;
Quando este olha para ele, regressa à mota e estabelece contacto rádio com a Central.
-"Preciso de falar com o Chefe", informa ao operador.
O Chefe responde e o guarda diz-lhe que mandou parar uma limusina que seguia a 205 km/h.
-"Então aplica-lhe a multa", diz o Chefe.
-"Não creio que devamos fazer isso, ele é mesmo importante", diz o polícia.
O Chefe exclama, "Por isso mesmo, multa o sacana!"
-"Não, é que é MESMO importante", insiste o guarda.
Então o Chefe pergunta, "Quem tens aí, o Presidente da Câmara?"
E o polícia: "Mais alto".
O Chefe: "Um deputado?"
Polícia: "Mais importante".
Chefe: "O Primeiro-ministro?".
Polícia: "Muito mais!".
-"Bolas", diz o Chefe, "Então quem é?".
O polícia: "Acho que é Deus!".
O Chefe fica atrapalhado, "E o que te leva a pensar que seja Deus?".
Polícia: "É que o motorista Dele ... é o Papa!".

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Pintura de Parede?

terça-feira, 8 de maio de 2012

9º sinfonia de Beethoven

A sinfonia n.º 9 em ré menor, op. 125, "Coral", é a última sinfonia completa composta por Ludwig van Beethoven. Completada em 1824, a sinfonia coral mais conhecida como Nona Sinfonia é uma das obras mais conhecidas do repertório ocidental, considerada tanto ícone quanto predecessora da música romântica, e uma das grandes obras-primas de Beethoven.


A nona sinfonia de Beethoven incorpora parte do poema An die Freude ("À Alegria"), uma ode escrita por Friedrich Schiller, com o texto cantado por solistas e um coro em seu último movimento. Foi o primeiro exemplo de um compositor importante que tenha se utilizado da voz humana com o mesmo destaque que os instrumentos, numa sinfonia, criando assim uma obra de grande alcance, que deu o tom para a forma sinfônica que viria a ser adotada pelos compositores românticos.

A sinfonia n.º 9 tem um papel cultural de extrema relevância no mundo atual. Em especial, a música do último movimento, chamado informalmente de "Ode à Alegria", foi rearranjada por Herbert von Karajan para se tornar o hino da União Européia. Outra prova de sua importância na cultura atual foi o valor de 3,3 milhões de dólares atingido pela venda de um dos seus manuscritos originais, feita em 2003 pela Sotheby's, de Londres. Segundo o chefe do departamento de manuscritos da Sotheby's à época, Stephen Roe, a sinfonia "é um dos maiores feitos do homem, ao lado do Hamlet e do Rei Lear de Shakespeare".

Letra da 9.ª Sinfonia de Beethoven em português


Baixo
Ó, amigos, mudemos de tom!
Entoemos algo mais prazeroso
E mais alegre!

Baixo. Quarteto e coro
Alegria, formosa centelha divina,
Filha do Elíseo,
Ébrios de fogo entramos
Em teu santuário celeste!
Tua magia volta a unir
O que o costume rigorosamente dividiu.
Todos os homens se irmanam
Ali onde teu doce vôo se detém.
Quem já conseguiu o maior tesouro
De ser o amigo de um amigo,
Quem já conquistou uma mulher amável
Rejubile-se conosco!
Sim, mesmo se alguém conquistar apenas uma alma,
Uma única em todo o mundo.
Mas aquele que falhou nisso
Que fique chorando sozinho!
Alegria bebem todos os seres
No seio da Natureza:
Todos os bons, todos os maus,
Seguem seu rastro de rosas.
Ela nos deu beijos e vinho e
Um amigo leal até a morte;
Deu força para a vida aos mais humildes
E ao querubim que se ergue diante de Deus!

Tenor e coro
Alegremente, como seus sóis voem
Através do esplêndido espaço celeste
Se expressem, irmãos, em seus caminhos,
Alegremente como o herói diante da vitória.

Coro
Abracem-se milhões!
Enviem este beijo para todo o mundo!
Irmãos, além do céu estrelado
Mora um Pai Amado.
Milhões, vocês estão ajoelhados diante Dele?
Mundo, você percebe seu Criador?
Procure-o mais acima do Céu estrelado!
Sobre as estrelas onde Ele mora!



segunda-feira, 7 de maio de 2012

Water, Goa, India

Dialogo entre o pé e o pénis.


O pé:
- Sabes pénis, eu não me conformo com as injustiças. Eu andei a pensar que tu é que levas uma vida boa. Tu ficas ai nas cuequinhas de seda, a balançar para la e para ca, todo confortável e eu aqui em baixo so me lixo! Eu fico aqui dentro destes sapatos, vivo a dar tropeções nas esquinas dos moveis, piso na merda e ainda por cima fico cheio de frieiras e a cheirar mal…
O pénis:
Pois é, pé. Mas as coisas não são bem assim… tu estás a reclamar a toa. Realmente, de vez de enquanto eu estou aqui quietinho tranquilo, e começo a ouvir uma conversa meia estranha la fora, então, levanto-me para ver o que esta a acontecer, então agarram em mim, enfiam-me num buraco escuro e molhado. Depois não sabem se poem ou se tiram, se poem ou se tiram. Com essa indecisão toda de não saber se entra ou sai, eu fico tonto, vomito e desmaio…nota bem para quem o usa ativamente.

domingo, 6 de maio de 2012

sábado, 5 de maio de 2012

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Momentos 4S


Vai Acontecer na Casa de Goa
Workshop de Gastronomia Goesa – Momentos 4S
Sessão de Apresentação: 4 de Maio 2012
Com cinco séculos de existência, a Cozinha Tradicional Goesa é cada vez mais apreciada 
em todo o mundo.
No âmbito das comemorações do seu 25.º aniversário, a Casa de Goa vai promover um conjunto de Workshops de Gastronomia Goesa. A iniciativa, intitulada Momentos 4S, pretende ser um espaço de partilha de saberes, sentimentos, sensações e, claro, de sabores: os SABERES de uma cultura que funde dois mundos (o Ocidental e o Oriental), os SENTIMENTOS marcados pela história, pelas origens, pelas cores, pelos aromas, as SENSAÇÕES únicas que se criam à volta da mesa e osSABORES, originais, de uma gastronomia muito influenciada pela cozinha portuguesa.
Cada sessão será conduzida por um convidado diferente, pessoas consideradas “referências” da culinária tradicional goesa, que vão transmitir aos participantes os seus conhecimentos e um legado que deve ser perpetuado.
A iniciativa será apresentada no dia 4 de Maio, pelas 18h30, na Casa de Goa.
Venha descobrir os S’s de Goa!

Inscrições e Esclarecimentos:
  • Casa de Goa: Telefone: 21 393 00 78 - Telemovel: 93 896 64 74 - Email: casadegoa@sapo.pt

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Amigos

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Esquecer doí...

Um grande amor acaba por muitos motivos.
Acaba em dias de chuva, em tardes ensolaradas.
Acaba a toda hora.
Assim como quando um grande amor começa.
Mas um grande amor nunca acaba de repente.
Vai acabando aos poucos.
Essa espera pelo fim definitivo de um grande amor maltrata a gente.
Dói sem parar.
Ainda mais quando era um amor honesto e verdadeiro.
Há quem pense que é impossível esquecer um grande amor.
Alguns já morreram tentando.
E falam como Neruda: “tão curto o amor, tão longo o esquecimento”.
Esquecer é difícil.
Ainda mais esquecer coisas boas.
Momentos felizes. Sorrisos. Aplausos. Aquela noite. Aquele abraço...
Aquela dança...
Sem lágrimas, sem sofrimento, sem raiva, então não era amor.
Se amas mesmo isso é normal pois nenhuma perda é bem vinda.
Dê tempo ao tempo.

Abril asneira mil

Bom dia, marota pascal
Bom dia, alegria renascida da criação
Bom dia, paixão
Bom dia, lagartixa pascal
Bom dia, amêndoa mística
Bom dia, marota dos folares
Bom dia, pintainha!
Xika!
Bom dia, fofinha!
Bom dia, coração!
Cucurucucu
S.Pedro abusou da feijoada!
Bom dia, buzuzu
Bom dia, mosca aquática
Bom dia, amor
Bom dia, espinafre XXI
Boa tarde, caranguejo beijoqueiro
Bom dia, xerém
Bom dia, rabanete aristocrata
Bom dia, pulga atómica
A maçonaria vende maçanetas? Conheces algum taxista lennista?
Bom dia, cara barata
Bom dia, pizza dourada
Boa tarde, tromba del rey juan Carlos
Bom dia, alegria dos bosques lusitanos
Bom dia, essência da abundancia de todos os aromas de todas as flores, de todos os frutos, de todas as diversidades de todas as cores, tons, e sons de todas as primaveras.
Bom dia, pinto liberal

Dialogo entre o pé e o pénis. O pé:
- Sabes pénis, eu não me conformo com as injustiças. Eu andei a pensar que tu é que levas uma vida boa. Tu ficas ai nas cuequinhas de seda, a balançar para la e para ca, todo confortável e eu aqui em baixo so me lixo! Eu fico aqui dentro destes sapatos, vivo a dar tropeções nas esquinas dos moveis, piso na merda e ainda por cima fico cheio de frieiras e a cheirar mal…
O pénis:
Pois é, pé. Mas as coisas não são bem assim… tu estás a reclamar a toa. Realmente, de vez de enquanto eu estou aqui quietinho tranquilo, e começo a ouvir uma conversa meia estranha la fora, então, levanto-me para ver o que esta a acontecer, então agarram em mim, enfiam-me num buraco escuro e molhado. Depois não sabem se poem ou se tiram, se poem ou se tiram. Com essa indecisão toda de não saber se entra ou sai, eu fico tonto, vomito e desmaio…nota bem para quem o usa ativamente.

Bom dia, delicia da Narazé
Bom dia, sardinha lusa
Bom dia, ternura de Abril
Bom dia, manha de liberdade!
Bom dia, peixe astral
Bom dia, virtual lombriga
Bom dia, buzio voador
Xika! Bgd
Bom dia, amora
Bom dia, pomba branca
Bom dia, amigo bom
Bom dia, baleias de alegrias
Bom dia,  xuxu
Bom dia, iluminado
Bom dia, pulga
Lol, santa ou beata?

terça-feira, 1 de maio de 2012

Noite mais sentida