Meus outros blogs:

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Hora Pequena II


CONTAGEM DECRESCENTE...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

RIRRR!!


Enviada: D.R.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Goa: Passado e Presente

sábado, 22 de outubro de 2011

Virose

A cada época do ano é normal encontrar situações que se repetem constantemente. Como as estações são as mesmas independente de qual seja o ano especificamente, padrões continuam a se repetir, coisa que permite aos cidadãos se acostumarem e se prepararem para as próximas épocas desagradáveis que estão por vir.

Doenças recorrentes


Nesse caso das situações indesejadas, normalmente o inverno é a estação em que as pessoas demonstram maior sinal de doenças suscetíveis às variações climáticas inerentes às temperaturas mais baixas e mudanças repentinas. Com isso, uma das maiores tendências é a disseminação de viroses de pessoa a pessoa, pois estas são condições transmissíveis.

Como o próprio nome sugere, viroses são doenças originadas pelos vírus. Com isso em mente, é importante lembrar que os vírus estão em constante mutação. Vale lembrar sempre da velha premissa: nunca se pega a mesma gripe duas vezes. Isso mostra que até mesmo a mais simples doença passa por alterações na sua condição de existência.

Justamente por estarem em constante mutação, não existe uma “cura” para as viroses. Basicamente, a maneira de tratar doenças causadas por vírus é com a prevenção. Esta pode ser garantida ao manter um estilo de vida saudável, o qual inclui alimentação, sono adequado, exercícios físicos, entre outros.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Fabrica Braço de Prata

Localizada na Rua da Fábrica de Material de Guerra (é esse mesmo o nome da rua) no Braço de Prata em Lisboa, esta antiga fábrica de material militar é desde 2007 um dos espaços culturais mais originais de Lisboa.
As antigas salas da fábrica, são agora uma espectacular livraria, salas de exposições e salas de workshops, cinema, bar e restaurante. E o que é mais fantástico, é que está aberto até à meia-noite, ou mesmo até mais tarde, dependendo dos espectáculos em cartaz.

E é mesmo à noite que a Fabrica se torna num espaço único, com uma luminosidade própria dos grande casarões antigos e a música a propagar-se pelas diversas salas. Esta Fábrica de Braço de Prata (FBP), que foi um antigo estabelecimento fabril militar do Estado, tendo sido desactivado na década de 90, deu origem a um original centro cultural.

A FBP começou a funcionar em 1908, como Fábrica de Projecteis de Artilharia, fabricou essencialmente munições e armamento. Atingiu o auge da sua produção durante a Guerra do Ultramar, altura em que conseguiu produzir centenas de milhares de material militar diverso, que servia as Forças Armadas Portuguesas.
Ao mesmo tempo, ainda produzia equipamentos para exportação, sobretudo para a Alemanha. Foi aqui, que foi produzida durante décadas, a famosa G3 (produzida sob licença alemã).

Os muitos desgraçados que cumpriram o Serviço Militar Obrigatório, conhecem a fundo esta arma, chegando a ter que a saber desmontar e montar e chegando mesmo a dormir com ele (a arma claro). Pois agora a FBP em vez de G3, apenas produz sons para MP3!...

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Recordar a infância

Recordar a infância, recordar faz bem a alma
Relembrar cada canto, cada brincadeira
Ver a realidade de anos atrás
Com a realidade de hoje
As mil e uma experiências, aventuras, traquinices,
É bom recordar o passado, já escrito num livro
Viver o presente, o hoje, agora e já
Proporcionarmos a alegria de todos os momentos
E imaginar, planear o dia de amanhã
Um de minuto de agora,
Daqui a bocado faz parte do passado…

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Ekvatianas no Museu da Cidade

É um museu de História, criado com o objectivo de documentar e divulgar a história de Lisboa nas diferentes etapas da sua evolução urbanística, económica, política, social e das mentalidades.

Apresenta actualmente um programa museológico que traça um percurso cronológico da evolução da cidade, desde a ocupação do território durante a pré-história até à Implantação da República em 1910.

Do seu espólio destaca-se a colecção de artefactos mais antigos da ocupação humana do local, datados de 300 000 a.C. a 100 000 a.C.; as primeiras representações da cidade de Lisboa; os projectos para a inovadora obra de construção do Aqueduto das Águas Livres; os da edificação da baixa pombalina, surgida na sequência do Terramoto de 1755; terminando com O Fado, da autoria de José Malhoa, obra incontornável da pintura do século XX.

-Lancamento de um livro.
-Novos dançarinos, alunos da Tarikavalli, agora novos dançarinos do Ekvat.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Rosa de Fogo

A necessidade de ser abraçada
De ser mimada e protegida
Sobre uma fortaleza a volta do coração
Com uma protecção de uma Rosa
Bela, esbelte, delicado e frágil
De espinhos fortes e afiados
Com pétalas cheirosas, cheia de cor
De cheiro forte e calmante
E em fogo ardente e sedutor
A pura e reais semelhanças
Entre o meu coração e a Rosa,
Vermelho, vivo, quente e ardente.
Foi ai que vi, senti,
A perfurar o meu peito fechado
Sobre o amor confuso

A bela Rosa de Fogo
O fogo que arde dentro de mim
A vontade de te ter e não te ter
Os sentimentos conturbados
Na brisa do vento fresco
Como uma Rosa ao ar livre
Com medo de amar e adorar
E medo de quebrar e magoar.
Mas tu, amor dos meus olhos
Só uma palavra e de braços abertos
Num abraço forte e quente
Amaciaste-me os espinhos
E quebraste os meus medos
Tocaste no fundo do meu peito
E na noite escura e fresca
Sobre as estrelas cintilantes
A Rosa de Fogo…

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

domingo, 16 de outubro de 2011

Ekvat em Lamego

Lamego é uma cidade portuguesa no Distrito de Viseu, Região Norte e sub-região do Douro, com 8 848 habitantes[2] sendo a segunda maior cidade do distrito. [carece de fontes?] O município está situado na margem sul do rio Douro, fazia parte da província tradicional de Trás-os-Montes e Alto Douro e, segundo alguns, fazia parte da Beira Transmontana, da qual era a principal cidade. Considerada uma cidade histórica e monumental, pois possui uma grande quantidade de monumentos, igrejas e casas brasonadas, sendo também uma diocese portuguesa.

É sede de um município com 165,39 km² de área e 26 707 habitantes (2011) [1], subdividido em 24 freguesias. O município é limitado a norte pelos municípios de Mesão Frio e Peso da Régua, a leste por Armamar, a sueste por Tarouca, a sudoeste por Castro Daire e a oeste por Resende.

Cidade antiquíssima, datando já do tempo dos romanos, foi reconquistada definitivamente em 1057 por Fernando Magno de Leão aos mouros; quando os distritos foram instituídos em 1835 por uma reforma de Mouzinho da Silveira, Lamego foi inicialmente prevista como sede de distrito; mas nesse mesmo ano a sede do mesmo foi deslocada para Viseu, devido à sua posição mais central.

Foi em Lamego que teriam decorrido as lendárias Cortes de Lamego, onde teria sido feita a aclamação de D. Afonso Henriques como Rei de Portugal e se estabeleceram as "Regras de Sucessão ao Trono".

É sede da diocese de Lamego (a única diocese portuguesa que não corresponde a uma capital de distrito), e no concelho são numerosos os monumentos religiosos, dos quais se destacam a Sé Catedral, a Igreja de São Pedro de Balsemão e o Santuário da Nossa Senhora dos Remédios, que dá também o nome a Romaria anual cujo dia principal é o 8 de Setembro, que é também o feriado municipal.

Conhecida também pela sua gastronomia, nas qual se destacam os seus presuntos, o "cabrito assado com arroz de forno" e pela produção de vinhos, nomeadamente vinho do Porto, de cuja Região Demarcada faz parte, e pelos vinhos espumantes.

Nota: foi adiado para Março 2012.

sábado, 15 de outubro de 2011

Aqueduto

O Aqueduto foi construído durante o reinado de D. João V, com origem na nascente das Águas Livres, em Belas, e foi sendo progressivamente reforçado e ampliado ao longo do século XIX. Resistiu incólume ao Terramoto de 1755.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Hoje sinto-me assim...

Como uma tartaruga...
pareço que carrego o peso do mundo nas costas.
Uma tristeza tão profunda, e digo-te não sei de quê...
Um olhar longiquo, sem direcção...
Uma saudade de não sei de quem ou de quê...
Um cansaço...

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Equilibrio...

Somos um todo, mente, corpo e espírito, precisam estar alinhados para atingirmos a nossa melhor performance. O espírito estaria para o corpo assim como a mente estaria para a alma.

E para termos esse equilibro e podermos vencer os obstáculos sejam elas boas ou más, temos de nutrir o corpo, mente e alma. Tudo na vida têm fases e com isso, têm um início, meio e fim. Como uma cria, que nasceu, cresceu, aprendeu a viver e voou para ter a sua própria vida, seu espaço e liberdade.
Faz parte do equilibro da vida, a felicidade, liberdade, amor e tranquilidade, seja pessoal como conjunta, seja em qualquer vida, seja em qualquer parte do mundo. É preciso amar. Não é só amar a Deus, também é importante amar a nós próprios para podermos sorrir.

Viver momento após momento, dia após dia, um dia de cada vez, o de hoje e agora. Temos amigos, temos família que estão a nossa volta, que nos alegram, que nos estão por perto, mas somos nós que fazemos a nossa vida, somos nós que decidimos o que queremos, somos nós que temos de ir atrás nos nossos sonhos para poderem ser realizáveis, somos nós que controlamos os nossos actos, somos nós que temos de ultrapassar os medos e pânicos.

Diz alto e boa voz que sou eu que controlo a minha vida, as minhas decisões, nada nem ninguém vai poder alterar. Quem quiser ir por esse meio, vai encontrar um gradeamento sem porteiro no meu peito. Só eu deixo entrar quem eu quero e mais nada…
Sê grato por uns momentos de alegria, os poucos momentos de tranquilidade. O ser optimismo, engrandece os momentos. Hoje são minutos, amanhã são horas, depois são dias e depois anos…

Sê grato por uns momentos de alegria, os poucos momentos de tranquilidade. O ser optimismo, engrandece os momentos. Hoje são minutos, amanhã são horas, depois são dias e depois anos…

Saborear cada palavra, pensar no significado, pensar aonde estas palavras encaixam, mesmo quando estamos a rezar, orar, ou a falar connosco. Levar o cérebro a pensar noutras coisas e não no que sinto, neste momento.

O equilíbrio:
Uns encontram e tranquilizam o coração e vivem uma vida serena…
Outros ainda procuram e não cessam até encontrar…
Outros têm de voltar a aprender a procurar… tem de renascer.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

domingo, 9 de outubro de 2011

As pombinhas de Fátima

Decorria o ano de 1946, e Portugal celebrava o terceiro centenário de sua Consagração a Nossa Senhora da Imaculada Conceição, Rainha e Padroeira de Portugal (1646), proclamada pelo rei D.João IV. Surgiu a idéia de levar a imagem de N. Sra. da Conceição, de Vila Viçosa até Lisboa. Em 1946, a Imagem de N. Sra. de Fátima já era grande atração para muitos peregrinos. Então, foi pedido que aquela sua representação fosse, igualmente, a Lisboa para que, no dia 8 de dezembro de 1946 se encontrasse com a imagem da Imaculada Conceição de Vila Viçosa, quando uma grande Celebração festiva seria realizada pelos 300 anos da Padroeira de Portugal.

Nesta comemoração da Consagração de Portugal a N. Sra. da Conceição, N. Sra. de Fátima foi coroada no dia 13 de maio pelo Cardeal legado (representando o Papa, para a solenidade), Dom Aloisio Masella, diante de 800 mil fiéis. Encerrava-se, assim, o Congresso Mariano de Évora - cidade onde, 300 anos antes, fora pronunciado o voto - e, em seguida, a procissão solene, de mais de 400 Km, teve início, em homenagem à Virgem Peregrina.

Esta viagem triunfal, que se estendeu de 22 de novembro a 24 de dezembro, atraindo multidões, foi marcada por um evento insólito.

A Imagem de Nossa Senhora de Fátima, a caminho de Lisboa, passando pelo oeste, atravessou Bombarral, a 1º de Dezembro de 1946. Cinco pombas brancas, lançadas ao ar por D. Maria Emília Coimbra e sua filha Teresinha Campos, pousaram, uma após a outra, aos pés da Imagem, voltando-se para ela com atitudes surpreendentes. A partir de então, muitas pombinhas foram soltas e muitas delas se refugiavam aos sues pés, aí permanecendo, noite e dia, sem procurar alimentos, sem bicar ou debicar a estátua ou as flores que a ornavam, sem serem perturbadas pela multidão, virando-se para os oradores, para o Santíssimo ou para o Crucifixo - quando estes eram colocados sobre o Altar -, seguindo a estátua sempre que era transportada, em automóveis ou aviões, quando rumava para os outros continentes. Sua delicadeza e reverência precediam a imagem, e as aves a aguardavam, postando-se nos locais onde seria colocada.

As pombinhas, de noite e de dia, nas celebrações e vigílias, sob os cânticos e as aclamações, sob chuva e foguetes, durante todo o percurso, jamais deixaram a Imagem até chegar a Lisboa, no dia 8 de dezembro, data em que outros pássaros se associaram a elas. O fenômeno foi registrado pela imprensa daqueles dias. Foram as pombas de Bombarral, as primeiras a manifestarem a sua presença carinhosa junto à Imagem de Nossa Senhora de Fátima. E isto marcou profundamente o espírito do povo português: o Cardeal de Lisboa expressou o seu assombro na mensagem radiofônica, divulgada por ocasião do Natal de 1946 e todos os jornais do país refletiram a sua emoção. O Padre Miguel de Oliveira assim escreveu na edição de 7 de dezembro, da publicação Novidades, quase inteiramente dedicada às pombinhas de Nossa Senhora: "Ao término de alguns séculos, não faltarão espíritos fortes que sorrirão da nossa ingenuidade e questionarão como teria sido possível, em pleno século XX, que uma lenda típica da Idade Média fosse criada. Porém não se trata de uma lenda, ó homens do futuro! Trata-se de uma realidade que nossos olhos contemplam, esta é a história autêntica, testemunhada por centenas e centenas de milhares de pessoas."

Uma historia contada por um Padre amigo de 92 anos, á porta de uma capelinha.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

São Bruno

São Bruno de Colônia (em alemão, Bruno von Köln, Colônia, 1030 ou 1035 — Serra San Bruno, 6 de outubro de 1101) foi um monge alemão, fundador da Ordem dos Cartuxos, proclamado santo pela Igreja Católica. A Ordem dos Cartuxos é considerada a mais rígida de todas as ordens da Igreja, e atravéssou a história sem reformas.

Nascido na Alemanha, de família nobre, em 1035. Sacerdote amigo e admirado pelo Arcebispo de Reims. Inteligente e piedoso, começou a dar aulas na escola da Catedral de Reims, até que já, cinquentenário e cônego, amadureceu a inspiração de servir a uma Ordem religiosa.

Após curto estágio num mosteiro beneditino, retirou-se à uma região chamada Cartuxa e com a aprovação e bênção de um Bispo, o qual ofereceu o lugar. Assim, São Bruno começou sua obra a partir do coração quente de amor por Jesus e o Reino. Com companheiros, observava-se absoluto silêncio, a fim do aprofundamento na oração e à meditação das coisas divinas, ofícios litúrgicos comunitários, obediência aos superiores, trabalhos agrícolas, transcrição de manuscritos e livros piedosos.

Quando um dos discípulos de São Bruno tornou-se Papa, teve ele que obedecer o Vigário de Cristo, já que o queria como assessor, porém, recusou ser bispo e após pedir com insistência a Urbano II, conseguiu voltar à vida religiosa, quando juntamente com amigos de Roma, fundou no sul da Itália o mosteiro de Santa Maria da Torre, onde veio a falecer em 1101.

As últimas palavras foram: "Eu creio nos Santos Sacramentos da Igreja Católica, em particular, creio que o pão e o vinho consagrados, na Santa Missa, são o Corpo e sangue, verdadeiros, de Jesus Cristo".

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

USA for Africa - We are the World...

Uma marca no tempo...

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Nikita

domingo, 2 de outubro de 2011

"Guerra" por tesouro de Agatha Christie

O assunto há quatro anos que era tema de conversa ao jantar. O baú de Agatha Christie que fora comprado num leilão tinha dentro uma caixa trancada cuja chave desaparecera... um mistério digno da escritora de policiais. Agora, tudo se resolveu com um pé de cabra e o resultado gerou uma luta entre a leiloeira e a compradora, é que no interior repousavam dinheiro e jóias no valor de 100 mil libras.

Jennifer Grant comprara por 100 libras, em 2006, o baú de cabedal com as iniciais C.M.M. (Clara Margaret Miller, a mãe de de Agatha Christie) num leilão da Bearnes Hampton & Littlewood. Na altura, vendedora e compradora observaram a caixa, mas nada puderam fazer já que a chave desaparecera.

Há dias, Jennifer resolveu aproveitar a presença de um trabalhador que andava a fazer umas obras em sua casa para lhe pedir q eu forçasse a abertura e qual não é o seu espanto quando vê no interior uma bolsa com 35 moedas de ouro, um anel de diamante, uma pregadeira e a aliança de Miller.

A actual proprietária do baú nunca pensou que tivesse ali escondido um tesouro e a leiloeira também nem queria acreditar quando soube. E não quer abrir mão destas preciosidades que por terem pertencido a Agatha Christie poderão atingir muito mais do que as 100 mil libras em que foram avaliadas.

"Como esses itens agora encontrados não constavam do catálogo da venda, acredito que temos caso", disse Andrew Thomas, consultor da leiloeira, à Sky News online.

Andrew Thomas está convencido de que a leiloeira conseguirá a posse dos objectos. Em 2007, registou-se um caso algo parecido em que os leiloeiros conseguiram ganhar. Tratavam-se de uns esboços que foram descobertos numa secretária, cuja presença se desconhecia na altura da transacção comercial.

Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/guerra-por-tesouro-de-agatha-christie=f569251#ixzz1ZaEcZMZU

sábado, 1 de outubro de 2011