Meus outros blogs:

segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Calendário de Amizade

  • Dezembro: A verdadeira amizade é como as estrelas: notam-se melhor quando tudo fica ás escuras.

  • Novembro: Um verdadeiro amigo é aquele que fecha os olhos para ver o coração.

  • Outubro: Se fizeres um favor, não o recordes; se receberes um favor, nunca o esqueças.

  • Setembro: Nenhum caminho é longo demais quando um amigo nos acompanha.

  • Agosto: Todo o amor semeado cedo ou tarde há-de florescer (Follerau).

  • Julho: Um tesouro nem sempre é um amigo, mas um amigo é sempre um tesouro.

  • Junho: A verdadeira amizade é uma planta que se desenvolve lentamente(George Washington).

  • Maio: O verdadeiro amor não se conhece por aquilo que exige, mas por aquilo que oferece (Jacinto Benavente).

  • Abril: A ave constrói o ninho; a aranha, a teia; o homem, a amizade (William Blake).

  • Março: Grande parte da vitalidade de uma amizade reside no respeito pelas diferenças, não apenas em desfrutar das semelhanças (James Fredericks).

  • Fevereiro: Ouve o conselho de quem muito sabe; porém, ouve, sobretudo, o conselho de quem muito te ama (A.Graf).

  • Janeiro: Onde se semeia amor, cresce alegria (Shakespeare).
  • domingo, 30 de dezembro de 2007

    Índia: pai acha azar ter gêmeas e as enterra vivas..

    11 de maio de 2007
    A polícia do Estado indiano de Gujarat, no oeste do país, prendeu um homem acusado de matar suas filhas gêmeas ao enterrá-las vivas, informou uma autoridade policial nesta sexta.
    "O pai considerou que as crianças eram um sinal de má sorte", contou G.S. Malik, superintendente da polícia. "Ele assassinou os dois bebês de apenas seis dias de vida ao enterrá-las em um poço."

    O crime aconteceu na vila de Nakhatrana, 450 km ao norte de Ahmedabad, a principal cidade do Estado de Gujarat. A mãe das crianças apresentou queixa na polícia. Ela disse que seu marido Samantsinh Sodha, que trabalha como frentista, a espancou por ela ter dado à luz duas meninas.

    Apesar de ser ilegal, o infanticídio feminino é prática recorrente em um país onde as crianças do sexo masculina são preferidas em relação às meninas. Pela sociedade indiana, uma filha significa um ônus muito grande, já que as despesas de casamento são integralmente pagas pela família da noiva.

    Em dezembro, o governo indiano admitiu que porvavelmente 10 milhões de meninas foram mortas por seus pais nas últimas duas décadas.

    quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

    Sozinha ...


    ...penso em ti,
    Sinto-me sozinha, sem ti a meu lado
    Oiço um eco, bem no fundo
    Vivo este vazio à minha volta
    Consigo sentir o meu lado desesperado
    Sinto tudo o que não quero, bem profundo
    Vejo a minha vida, feita nesta reviravolta
    Vejo teu olhar estampado em meus olhos
    Perdi-te, fiquei “não correspondida”
    Fiquei um só e único “eu”
    Um adeus de despedida
    Meu coração ficou só meu

    Estou sozinha, sem ti
    Abandonada neste sentimento cru
    Falo sozinha, sem ti ao meu lado
    Escrevo para a pessoa que não esqueço, tu
    Quero, mas não consigo esquecer o passado…
    Vivo contigo ainda dentro do lado errado do coração
    Para meu desespero, ainda, vivo contigo em mim......

    terça-feira, 25 de dezembro de 2007

    Mil e uma noites de amor!

    Momentos inesquecíveis, em noites quentes.
    Beijos molhados, perfumados, subtilmente sensuais.
    Mãos que se exploram, inquietas, audaciosas, apressadas.

    Em apenas um toque, a respiração dispara.
    Impulsos incontidos, pulsações aceleradas.
    Roupas que caem lentamente pelo chão, deixando rastros.
    Olhares penetrantes, corações pulsantes, arrepios delirantes.
    Vozes que falam de amor, roucas, suaves,
    abafadas por muitos beijos.

    Corpos que se unem com desejo e intensidade.
    Como se logo o mundo acabasse.
    É fome de amar, é sede de sentir.
    É desejo de se entregar.
    Uma loucura ao gozar.
    Há o medo de perder, de um dia chegar ao fim,
    e nunca mais se ver.

    Amar é uma arte, uma criação única!

    Quando dois corpos e duas almas se encontram,
    Sentem o mais puro, o mais verdadeiro,
    o mais absoluto... Prazer.
    Antes, uma contínua ansiedade,
    depois, uma infinita saudade.

    São os mais sublimes momentos sensuais já vividos.

    sábado, 22 de dezembro de 2007

    Princesa por um momento...


    Obrigada, por deixares ser a tua princess por um dia.

    sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

    Noite de Amor


    Hoje vou esperar-te completamente nua
    Vai ser tudo diferente entre nós
    Serei tua o tempo todo,
    sem questionar nada,
    nem criticar as tuas fantasias sexuais.
    Teremos ali, no nosso leito,
    um ninho de amor dos mais perfeitos...
    Lingerie sobre a cadeira,
    a nossa música preferida,
    a luz apagada,
    a janela aberta,
    o luar, entre as rendas da cortina,
    seu olhar curioso a nos olhar...
    Terás tudo sobre a bandeja:
    leite condensado,
    pedaços de morango, uvas brancas, mel...
    O champagne no gelo e duas taças de cristal.
    Usarei aquele teu perfume preferido
    e terás todo o meu corpo,
    a minha pele jovem para beijar.
    E de manhã, quando o sol entrar,
    vai nos encontrar dormindo,
    vencidos pelo cansaço, êxtase e muito amor...
    Ao redor da cama o que sobrou da nossa noite de amor...
    Ontem ficamos loucos como dois amantes...
    Hoje somos apenas duas pessoas.

    quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

    Provérbios - Letra P

    P'lo S. João, Perdigoto na mão.
    P'lo S. Mateus, pega nos bois e lavra com Deus.
    P'ra trás, mija a burra.
    Paga o justo pelo pecador.
    Pagar e morrer, é a última coisa a fazer.
    Pai rico, filho nobre, neto pobre.
    Pais galegos, filhos barões, netos ladrões.
    Pais impertinentes fazem filhos desobedientes.
    Palavra de Rei, não volta atrás.
    Palavras de mel, coração de fel.
    Palavras, leva-as o vento.
    Panela velha faz boa sopa.
    Pão com olhos, queijo sem olhos e vinho que espirre para os olhos.
    Pão proibido abre o apetite.
    Pão que sobre, Carne que baste e Vinho que falte.
    Para a fome não há mau pão.
    Para baixo todos os Santos ajudam.
    Para bom entendedor, meia palavra basta.
    Para dar e para ter, muito rico é preciso ser.
    Para ensinar, é preciso aprender.
    Para grandes males, grandes remédios.
    Para Junho guarda um toco e uma pinha, e a velha que o dizia guardados os tinha.
    Para lá do Marão, mandam os que lá estão.
    Para mal que hoje acaba, não é remédio o de amanhã.
    Para ovos frigir, temos de os partir.
    Para palavras loucas, orelhas moucas.
    Para parte de Fevereiro, guarda lenha de Quinteiro.
    Parar é morrer.
    Páscoa alta, chumbo na malta.
    Páscoa em Março, ou fome ou mortaço.
    Pássaro do campo cedo madruga.
    Patrão fora, feriado na loja.
    Pau deitado não chama trovoada.
    Pedir a avarento, é caçar no mar.
    Pedra que rola, não cria musgo.
    Peixe não puxa carroça.
    Pela boca morre o peixe.
    Pelas costas dos outros se vêm as nossas.
    Pelo andar da carruagem vê-se logo quem lá vai dentro.
    Pelo S. Martinho (11/11) todo o mosto é bom vinho.
    Pelo S. Martinho, deixa a água pró moinho.
    Pelo S. Matias (25/02) começam as enxertias.
    Pelo Santiago (25/07), cada pinga vale um cruzado.
    Pelo voo se conhece a ave.
    Pelos Santos neve nos campos.
    Pelos Santos trigo semeado, fruto arrancado.
    Perdido por cem, perdido por mil.
    Pintainho de Janeiro, vai com a mãe ao poleiro.
    Poda-me em Janeiro, empa-me em Março e verás o que te faço.
    Podar em Março é ser madraço.
    Polidez, pouco custa e muito vale.
    Por casar nunca ninguém ficou, não foi com quem quis, foi com quem calhou.
    Por cima de melão, vinho de tostão.
    Por falar se ganha, por falar se perde.
    Por morrer uma andorinha não acaba a Primavera.
    Por S. Gil (01/08), adoba teu candil.
    Por S. Mateus faz conta das ovelhas que os borregos são teus.
    Por S. Matias (22/02), noites iguais aos dias.
    Por S. Simão e S. Judas (28/10) colhidas são as uvas.
    Por S. Vicente, toda a água é quente.
    Por Santa Maria de Agosto repasta a vaca um pouco.
    Porcos com frio e homens com vinho fazem grande ruído.
    Pouco a pouco fia a velha o copo.
    Pouco e em paz muito se faz.
    Poupar enquanto há; não havendo, poupado está.
    Preso por ter cão e preso por não ter.
    Presunção e água benta cada qual toma a que quer.
    Primeiro de Agosto, primeiro de Inverno.
    Primeiros trovões e relâmpagos, fertilidade de frutos e esterilidade de campos.

    quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

    Sonho Contigo..


    Sonho contigo, deitado ao meu lado…
    Depois de uma inesquecível noite de Amor,
    Prazer, sedução, loucuras, tesão…
    Nossos corpos ainda quentes, procuram se restabelecer
    Da noite linda que tivemos.
    Não quero, não preciso de mais nada,
    Além de ti ao meu lado.
    O sol está a nascer para mais uma vez
    Ser cúmplice do nosso amor.
    Amo-te demais,
    Não posso deixar de sentir novamente,
    Todo esse prazer.
    O meu sonho é com certeza um presságio
    Do que nos espera para o próximo encontro.
    Que só contigo Amor quero sentir…

    terça-feira, 18 de dezembro de 2007

    Outros Natais

    Bacalhau, bolo-rei e presentes à meia-noite? Não necessariamente. Saiba como se vive o Natal por esse mundo fora.
    Andreia Melo

    Um pinheiro enfeitado, família reunida à volta do bacalhau, bolo-rei para sobremesa e troca de presentes lá para a meia-noite. Soa a Natal, não soa? Por cá, sim. Mas pelo mundo fora a história é outra e as tradições também. Ora saiba quais.

    Da Lapónia a Portugal há, ao que parece, 1001 maneiras de celebrar esta altura do ano. É que o Natal como nós o entendemos é uma coisa só nossa. Noutros países, é como se o Grinch tivesse passado por lá e roubado o (nosso) Natal. Se não sabia, fica a saber que o dia em que celebramos o nascimento de Jesus foi uma data escolhida pela igreja séculos depois do ocorrido (oficializada pelo Papa Libério no ano 354 d.c.) para coincidir com a data do solstício de Inverno e com o dia do Sol (a Saturnália dos romanos), encobrindo o significado pagão associado a esses dias.

    Feriado católico para uns, para outros é só mais uma forma de estar com a família. Até há alguns a quem isto do Natal não diz nada e que fazem a grande celebração pelo Ano Novo (e há quem goste tanto dele que o celebra duas vezes). Para os judeus, já se sabe que não há Natal, há Hanukah. Cada cabeça, sua sentença. E embora seja costume passar esta época em família, as restantes tradições são diferentes nos quatro cantos do mundo.

    Traços em comum? Também os há. Até agora, na grande maioria dos países, contam-se dois: a ceia e as histórias que se contam a respeito de um senhor barrigudo e pachorrento que dá pelo nome de “São Nicolau” (Pai Natal, para os amigos). Figura que nasceu nos países nórdicos para celebrar a chegada do Inverno (para o qual se veste a rigor), foi pensada à imagem e semelhança de um bispo turco que viveu no século IV. Acredite-se nele ou não, uma coisa é certa: o espírito natalício anda à solta e a fazer das suas...

    Um Natal com mais olhos que barriga

    Mesa farta é o que não pode faltar., bem recheada de iguarias típicas. Para esta altura do ano, cada país tem os seus pratos, doces e bebidas características. E se por cá há sempre filhós e a rabanadas à mesa, lá fora os sabores são outros.

    Em Espanha, o jantar vai do marisco ao peru. Em França, independentemente do que haja para jantar, há sempre mais um lugar à mesa (pensado para um sem-abrigo) e treze doces à disposição (simbolizando os doze apóstolos mais um: Jesus). E em Itália, tradição que ainda é o que era faz-se com struffoli, biscoitos típicos da região de Nápoles.

    Na Bélgica, as gentes sentam-se à mesa com os obrigatórios gofres, um bolo feito com leite, ovos e farinha, cozido em formas que recordam tabletes de chocolate. A poucos quilómetros de distância, na Holanda, para além dos Cânticos (os famosos Christmas Carrols que também acontecem em Inglaterra e Estados Unidos da América), há letras de São Nicolau, massa folhada com claras de ovos a formar letras, palavras e quiçá (dependendo da vontade de quem tiver o avental vestido) frases inteiras. Uma sopa de letras à holandesa que acaba com toda a gente a engolir as palavras...

    No Luxemburgo, há kendel para todos os afilhados, com cumprimentos dos padrinhos a quem compete passar de geração em geração esta tradição. Na Finlândia, terra que alberga a aldeia dos duendes, Royaniemi, onde corremos o risco de tropeçar numa fábrica de brinquedos, o Natal tem sabor a tarte de ameixa e na Suécia a peppekaka, corações de massa cozidos no forno. E na Polónia não podem faltar os famosos pastéis de massa tenra com vegetais. Sim, que carne na consoada é coisa que não pode ser.

    E se em terras lusitanas, há sempre brindes com vinho do Porto, na Irlanda o que não pode faltar é o irish coffee. Na Alemanha, é a gluhwein, vinho tinto quente com cascas de frutas secas, que aquece as noites mais frias. E não havendo bolo-rei para acompanhar (se já há frutas secas da bebida...), há o bolo de São Nicolau.


    No Japão, à semelhança da Rússia e da China, não é o Natal que importa (até porque apenas 1% da população é católica). Nestes países a celebração mais importante é o Ano Novo. Na Rússia até o celebram duas vezes. É o que dá a confusão entre o calendário juliano e o calendário gregoriano... O Natal é a 7 de Janeiro, o ano novo do calendário gregoriano (o nosso) acontece a 31 de Dezembro e o ano novo do calendário juliano a 13 de Janeiro. À ceia come-se ganso ou pato recheado com puré de maçã, galentinas de carne ou de peixe ou “arenque de casaco de peles”. Seja como for, a refeição é sempre coroada com um bolo recheado (aka pirogui). No Japão, o Natal é uma espécie de dia dos namorados mas sem os cartões lamechas. É que a religião católica aqui não tem expressão. Mas há sempre espaço para mais um feriadozinho consumista...

    Do outro lado do mundo, os sabores são outros. Na Nova Zelândia, melhor que as tartes e bolos de Natal só as pavlovas, doce típico do país, parecido com as nossas farófias, mas com morangos por cima. E melhor ainda são os barbecues de Natal... Só mesmo aqui.

    segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

    Amor..

    Diz-me, meu Anjo,
    aonde te procurar,
    aonde posso te encontrar,
    procuro-te sem cessar.

    Diz-me, meu Amigo de sempre,
    aonde buscar forças para seguir em frente,
    aonde buscar sentido para continuar a minha vida,
    sem ti, sinto tristeza, dor e solidão.

    Procuro-te de forma real,
    procuro os teus olhos cor de avelã,
    procuro as tuas mãos delicadas,
    procuro o teu sorriso que me faz sorrir,
    procuro o teu corpo, que sinto quando fecho os olhos...
    procuro a tua alma bondosa,
    procuro a meiguice do teu coração,
    procuro algo que só em ti, posso encontrar.

    Diz-me meu Amor,
    se é para te amar assim, dá-me a tua mão na escuridão,
    dá-me momentos de glória, enquanto estou na aqui,
    dá-me a alegria de viver enquanto houver Luz.

    Autora: LMCF

    sábado, 15 de dezembro de 2007

    quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

    UM AMIGO...

    Ajuda-te
    Valoriza-te
    Respeita-te
    Acredita em ti
    Nunca te goza
    Compreende-te
    Nunca se ri de ti
    Aceita-te como és
    Eleva o teu espírito
    Caminha a teu lado
    Perdoa os teus erros
    Admira-te no teu todo
    Acalma os teus medos
    Oferece-te o seu apoio
    Ajuda-te a levantares-te
    Diz coisas lindas sobre ti
    Ama-te por aquilo que és
    Explica-te o que não entendes
    Diz-te tudo sobre o teu coração
    Entrega-se-te incondicionalmente
    Diz-te a verdade, quando precisas ouvi-la
    Grita-te, se necessário quando não queres 'ver' a realidade

    Isto é dedicado as(os) minhas(meus) melhores amigas(os)..

    terça-feira, 11 de dezembro de 2007

    Fico Assim Sem Você....

    Avião sem asa
    Fogueira sem brasa
    Sou eu, assim, sem você
    Futebol sem bola
    Piu-piu sem Frajola
    Sou eu, assim, sem você...

    Porque é que tem que ser assim?
    Se o meu desejo não tem fim
    Eu te quero a todo instante
    Nem mil auto-falantes
    Vão poder falar por mim...

    Amor sem beijinho
    Buchecha sem Claudinho
    Sou eu, assim, sem você
    Circo sem palhaço
    Namoro sem amasso
    Sou eu, assim, sem você...

    Tô louca prá te ver chegar
    Tô louca prá te ter nas mãos
    Deitar no teu abraço
    Retomar o pedaço
    Que falta no meu coração...

    Eu não existo longe de você
    E a solidão, é o meu pior castigo
    Eu conto as horas prá poder te ver
    Mas o relógio tá de mal comigo...
    Porque? Porque?

    Neném sem chupeta
    Romeu sem Julieta
    Sou eu, assim, sem você
    Carro sem estrada
    Queijo sem goiabada
    Sou eu, assim, sem você...

    Porque é que tem que ser assim?
    Se o meu desejo não tem fim
    Eu te quero a todo instante
    Nem mil auto-falantes
    Vão poder falar por mim...

    Eu não existo longe de você
    E a solidão, é o meu pior castigo
    Eu conto as horas prá poder te ver
    Mas o relógio tá de mal comigo..

    Adriana Calcanhoto
    Composição: Buchecha

    segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

    Yin e Yang

    O leste cria o vento. O vento cria a madeira. A madeira cria o sabor ácido. O sabor ácido nutre o fígado; o fígado nutre os músculos; os músculos fortalecem o coração; e o fígado governa os olhos. Os olhos vêem a escuridão e o mistério do Céu e descobrem Tao, o caminho.

    Do sul vem extremo calor. Calor produz fogo e fogo produz o sabor amargo. O sabor amargo nutre o coração, o coração nutre o sangue e o sangue dá vida ao estômago. O coração reina sobre a língua.

    Do centro vem a humidade que cria a terra e a terra cria o sabor doce. O sabor doce nutre o baço, que nutre as carnes que fortalecem o pulmão. E o baço governa a boca.

    O oeste engendra a secura que produz o metal. O metal cria o sabor picante e o sabor picante nutre o pulmão. O pulmão nutre a epiderme que fortalece os rins, e governa o nariz.

    O norte cria o frio; o frio produz a água; a água gera o sabor salgado; o sabor salgado nutre os rins; os rins nutrem os ossos e as medulas, que fortalecem o fígado; e os rins governam as orelhas.

    Madeira queima, produzindo Fogo, de cujas cinzas se forma a Terra, e dentro dela se condensa o Metal que expulsa de si a Água, da qual brota Madeira. Ou seja: Madeira nutre Fogo, que gera Terra, que engendra Metal, que gera Água, que nutre Madeira, ou seja ainda: uma ponta dá energia para a outra, permite que a outra aconteça. Este é o ciclo de geração de energia.

    Mas a Água apaga o Fogo, que funde o Metal, e Metal corta a Madeira, que esgota a Terra, e Terra absorve a Água, não é? Pois então, herói, este é o ciclo de dominação da energia. Significa que Madeira controla Terra, Terra controla Água, Água controla Fogo, Fogo controla Metal, Metal controla Madeira.

    domingo, 9 de dezembro de 2007

    Provérbios - Letra Q

    Quando a esmola é grande, o santo desconfia.
    Quando a esmola é muita, o pobre desconfia.
    Quando chove antes da missa, toda a semana borriça.
    Quando chove em Agosto, não metas teu dinheiro em mosto.
    Quando é de morte o mal, não há médico para curar tal.
    Quando é velho o cão, se ladra é porque tem razão.
    Quando em Março arrulha a perdiz, ano feliz.
    Quando está fora o gato folga o rato.
    Quando Maio chegar, quem não arou tem de arar.
    Quando mal, nunca pior.
    Quando mija um português, mijam dois ou três.
    Quando minguar a Lua não comeces coisa alguma.
    Quando não chove em Fevereiro, nem prados nem centeio.
    Quando o ano é de leite, até os bodes o dão.
    Quando o burro é jeitoso, qualquer albarda lhe fica bem.
    Quando o pobre come galinha, um dos dois está doente.
    Quando Outubro for erveiro, Guarda para Março o palheiro.
    Quando se declara a guerra, o Diabo alarga o Inferno.
    Quando um burro zurra, os outros abaixam as orelhas.
    Quando um cai, todos o pisam.
    Quando vem Março ventoso, Abril sai chuvoso.
    Quanto maior a nau, maior a tormenta.
    Quanto mais alto se sobe, maior o trambolhão.
    Quanto mais barato estiver o pão, melhor canta o coração.
    Quanto mais conheço os homens, mais gosto dos cães.
    Quanto mais depressa, mais devagar.
    Quanto tens, quanto vales.
    Queijo com pão faz homem são.
    Queimada a casa, acudir com água.
    Queira ou não queira, o burro há-de ir à feira.
    Quem a boa árvore se encosta, boa sombra o acolhe.
    Quem a muitos há-de manter, muito há-de ter.
    Quem abana, nem sempre cai.
    Quem acompanha com coxo, ao terceiro dia coxeia.
    Quem ama a Beltrão, ama o seu cão.
    Quem anda à chuva, molha-se.
    Quem ao comer sua, ao trabalho amua.
    Quem ao moinho vai, enfarinhado sai.
    Quem aos vinte não é, aos trinta não tem, aos quarenta não é ninguém.
    Quem bebe no S. Martinho (11/11), faz de velho e de menino.
    Quem bem ama não esquece.
    Quem bem nada não se afoga.
    Quem boa cama fizer, nela se há-de deitar.
    Quem brinca com o fogo queima-se.
    Quem cabritos vende e cabras não tem, dalgum lado lhe vem.
    Quem caça de coração é o dono do furão.
    Quem cala, consente.
    Quem cansa sempre alcança.
    Quem canta antes d' almoço, chora antes do Sol posto.
    Quem canta, seu mal espanta.
    Quem casa filha, depenado fica.
    Quem casa, quer casa.
    Quem com farelos se mistura, porcos o comem.
    Quem com ferros mata, com ferros morre.
    Quem com os braços não pode, com os dentes acode.
    Quem com porcos sonha, até o mato lhe ronca.
    Quem come carne na vespera de Natal, ou é burro ou animal.
    Quem come fel, não pode cuspir mel.
    Quem compra barato, compra duas vezes.
    Quem compra terras, compra guerras.
    Quem confessa a verdade, não merece castigo.
    Quem conhece o seu Coração, desconfia dos seus olhos.
    Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto.
    Quem convida de véspera, não quer que vá à festa.
    Quem corre por gosto, não cansa.
    Quem dá aos pobres, empresta a Deus.
    Quem dá e volta a tirar ao Inferno vai parar.
    Quem dá o pão, dá a educação.
    Quem dá o que tem, a pedir vem.
    Quem deixa o certo pelo incerto, ou é tolo ou pouco esperto.
    Quem desconfia, não é de confiar.
    Quem desdenha quer comprar.
    Quem deve a Pedro e paga a Gaspar, volta a pagar.
    Quem dívidas não tem, com a sua consciência está bem.
    Quem diz tudo o que quer, ouve o que não gosta.
    Quem é desconfiado não é sério.
    Quem é pobre não tem vícios.
    Quem é surdo, guarda segredos.
    Quem em Abril não varre a eira e em Maio não rega a leira, anda todo o ano em canseira.
    Quem em Janeiro lavrar, tem sete pães para o jantar.
    Quem em Julho ara e fia, Ouro cria.
    Quem em Maio não merenda, aos finados se encomenda.
    Quem em Maio relva, não tem pão nem erva.
    Quem em Março come sardinha, em Agosto lhe pica a espinha.
    Quem em novo não trabalha, em velho come palha.
    Quem em ruim terra nascer, sempre para ela há-de pender.
    Quem empresta não melhora.
    Quem encontrou sem muito procurar, é porque muito procurou sem encontrar.
    Quem espera sempre alcança.
    Quem espera, desespera.
    Quem está de fora, não racha lenha.
    Quem está mal, que se mude.
    Quem está vivo, sempre aparece.
    Quem estraga velho, paga novo.
    Quem fala no barco, quer embarcar.
    Quem faz mal, espere outro tal.
    Quem faz o que pode, a mais não é obrigado.
    Quem feio ama, bonito lhe parece.
    Quem guarda, acha; e quem cria, mata.
    Quem longe vai casar, ou é enganado ou vai enganar.
    Quem madruga, Deus ajuda.
    Quem mais alto sobe, ao mais baixo vem parar.
    Quem mais jura, mais mente.
    Quem mal anda, mal acaba.
    Quem mal entende, mal conta.
    Quem me repreende, do mal me defende.
    Quem meu filho beija, minha boca adoça.
    Quem muitas estacas estancha, alguma lhe há-de pegar.
    Quem muito apalpa pouco acerta.
    Quem muito chora, pouco mija.
    Quem muito dorme pouco aprende.
    Quem muito fala, pouco aprende.
    Quem muito se abaixa, o cu se lhe vê.
    Quem namora pelo fato, leva o Diabo ao contrato.
    Quem não aparece, esquece.
    Quem não arrisca, não petisca.
    Quem não chora não mama.
    Quem não come por ter comido, não é mal de grande perigo.
    Quem não confia, não é de confiar.
    Quem não cria, não tosquia.
    Quem não debulha em Agosto, debulha com mau rosto.
    Quem não deve, não teme.
    Quem não estorva, ajuda.
    Quem não estraga não estreia.
    Quem não governa a lenha, não governa a casa que tenha.
    Quem não lerda não medra.
    Quem não pede, não o ouve Deus.
    Quem não quer ser lobo, não lhe vista a pele.
    Quem não sabe ser caixeiro, que feche a loja.
    Quem não sabe, é como quem não vê.
    Quem não se fartou no comer, não se farta no lamber.
    Quem não se ri ao mês, ou é tolo ou quem o fez.
    Quem não se sente, não é filho de boa gente.
    Quem não tem bois, não promete carrada.
    Quem não tem bois, ou antes ou depois.
    Quem não tem cão caça com gato.
    Quem não tem dinheiro não tem vícios.
    Quem não tem marido, não tem amigo.
    Quem não tem padrinho, morre Moiro.
    Quem não tem vergonha todo o mundo é seu.
    Quem o alheio veste na praça o despe.
    Quem o inimigo poupa, nas mãos lhe morre.
    Quem parte e reparte e fica com a pior parte, ou é tolo ou não tem arte.
    Quem pássaros receia, milho não semeia.
    Quem pede a Pedro e paga a Gaspar, volta a pagar.
    Quem pega por moça, perde por força.
    Quem planta no Outono, leva um ano de abono.
    Quem poda em Março, vindima no regaço.
    Quem porfia, mata caça.
    Quem pouco sabe, depressa o reza,
    Quem primeiro alça, primeiro calça.
    Quem quer bom ervilhal, semeia-o antes de Natal.
    Quem quer festa, sua-lhe a testa.
    Quem quer sopas gordas, vaca nelas.
    Quem quer, vai; quem não quer, manda.
    Quem quiser bolota que a trepe.
    Quem quiser fazer uma viagem em paz, não leve mulher, nem cão, nem rapaz.
    Quem quiser luxo, que lhe custe.
    Quem quiser o alho cachapernudo, plante-o no mês do Entrudo.
    Quem sabe do barco é o barqueiro.
    Quem sabe falar, evita guerrilhar.
    Quem sai aos seus não degenera
    Quem saiba e pense, vence e convence.
    Quem se deserda antes que morra, merece uma cachaporra.
    Quem se mete por atalhos, mete-se em trabalhos.
    Quem se pica cardos come.
    Quem se quer ver sempre se encontra.
    Quem se rala morre cedo.
    Quem se veste de ruim pano, veste-se duas vezes por ano.
    Quem semeia ventos, colhe tempestades.
    Quem seu amigo quiser conservar, com ele não há-de negociar.
    Quem só mata, morre cedo.
    Quem só uma ovelha tem, mil lobos a comem.
    Quem te avisa, teu amigo é.
    Quem tem amigos, não morre na cadeia.
    Quem tem amores, tem dores.
    Quem tem boca não manda soprar.
    Quem tem boca, vai a Roma.
    Quem tem calos, não se mete em apertos.
    Quem tem capa sempre escapa.
    Quem tem cu tem medo.
    Quem tem filhos tem cadilhos.
    Quem tem fome, cardos come.
    Quem tem medo fica em casa.
    Quem tem Saúde e Liberdade é rico e não sabe.
    Quem tem sorte ao jogo não tem sorte aos amores.
    Quem tem telhados de vidro, não deve atirar pedras ao do vizinho.
    Quem tem unhas é que toca viola.
    Quem tem vagar, faz colheres.
    Quem torto nasce, tarde ou nunca se endireita.
    Quem tudo quer vingar, cedo há-de acabar.
    Quem tudo quer, tudo perde.
    Quem vai à guerra, dá e leva.
    Quem vai ao mar avia-se em terra.
    Quem vai para a cama sem ceia, toda a noite rabeia.
    Quem vê caras não vê corações.
    Quem vier atrás, feche a porta.
    Quem vive no convento é que sabe o que se passa lá dentro.
    Querer é poder.
    Queres pasmar o teu vizinho? Lavra e esterca p'lo S. Martinho.
    Queres um conselho, pede-o ao velho.

    MUDANÇAS

    Mude, mas começa devagar,
    porque a direcção é mais importante que a velocidade.
    Senta-te noutra cadeira, no outro lado da mesa.
    Mais tarde, muda de mesa.

    Quando saires, procura andar pelo outro lado da rua.
    Depois, muda de caminho,
    anda por outras ruas, calmamente,
    observa com atenção os lugares por onde passas.

    Toma outros transportes.
    Muda-te por uns tempos o estilo das roupas.
    Dá os seus sapatos velhos.
    Procura andar descalço alguns dias.

    Tira uma tarde inteira para passear livremente na praia,
    ou no parque e ouvir o canto dos passarinhos.
    Vê o mundo de outras perspectivas.
    Abre e fecha as gavetas e portas com a mão esquerda.

    Dorme no outro lado da cama... depois, procura dormir noutras camas.
    Assiste a outros programas de tv,
    compra outros jornais... lê outros livros,
    Vive outros romances.

    Não faças do hábito um estilo de vida.
    Ama a novidade.
    Dorme mais tarde.
    Dorme mais cedo.

    Aprende uma palavra nova por dia, numa outra língua.
    Corrije a postura.
    Come um pouco menos, escolhe comidas diferentes,
    novos temperos, novas cores, novas delícias.

    Tenta o novo todo o dia.
    o novo lado,o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor, a nova vida.
    Faz novos amigos.
    Tenta novos amores, novas relações.

    Almoça noutros locais, vá a outros restaurantes,
    toma outro tipo de bebida
    compra pão noutra padaria.
    Almoça mais cedo, janta mais tarde ou vice-versa.

    Escolhe outro mercado...
    outra marca de sabonete,
    outra pasta de dentes...
    toma banho em novos horários.

    Usa canetas de outras cores.
    Vá passear noutros lugares.
    Ama muito, cada vez mais, de modos diferentes.

    Troca de bolsa, de carteira, de malas, de time,
    saia de segunda, seja de primeira,
    troca de carro, compra novos óculos,
    escreve outras poesias.

    Joga os velhos relógios,
    quebra delicadamente esses horrorosos despertadores.
    Abre conta em outro banco.
    Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros, outros teatros, visita novos museus.

    Muda. Lembra-se de que a Vida é só uma.
    E pensa seriamente em arrumar outro emprego,
    uma nova ocupação, um trabalho mais light,
    mais prazeroso, mais digno, mais humano.

    Se não encontrares razões para seres livre,
    inventa-as. Sê criativo.
    E aproveita para fazeres uma viagem despretensiosa,
    longa, se possível sem destino.

    Experimenta novas coisas.
    Troca novamente.
    Muda, de novo.
    Experimenta outra vez.

    Certamente conhecerás coisas melhores
    e coisas piores do que as já conhecidas,
    mas não é isso o que importa.
    O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia.

    Só o que está morto não muda!
    Repito por pura alegria de viver:
    a salvação é pelo risco, sem o qual a vida não vale a pena!!!!

    Clarice Lispector

    sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

    Dança no Coração - o desejo


    A Dança no Coração deseja "contagiar" mais e mais pessoas com o gosto pela dança, essencialmente ver e sentir cada vez mais os sorrisos que as pessoas esboçam quando dançam, a liberdade que sentem enquanto se movem.
    Quer dizer que estão felizes. E isso deixa-nos felizes.
    Já o ditado diz - "quem dança, seus males espanta". E é a mais pura verdade. Basta experimentar para se ver que é um sábio ditado.
    http://dancanocoracao.blogspot.com/

    sábado, 1 de dezembro de 2007

    Provérbios - Letra Q

    Quando a esmola é grande, o santo desconfia.
    Quando a esmola é muita, o pobre desconfia.
    Quando chove antes da missa, toda a semana borriça.
    Quando chove em Agosto, não metas teu dinheiro em mosto.
    Quando é de morte o mal, não há médico para curar tal.
    Quando é velho o cão, se ladra é porque tem razão.
    Quando em Março arrulha a perdiz, ano feliz.
    Quando está fora o gato folga o rato.
    Quando Maio chegar, quem não arou tem de arar.
    Quando mal, nunca pior.
    Quando mija um português, mijam dois ou três.
    Quando minguar a Lua não comeces coisa alguma.
    Quando não chove em Fevereiro, nem prados nem centeio.
    Quando o ano é de leite, até os bodes o dão.
    Quando o burro é jeitoso, qualquer albarda lhe fica bem.
    Quando o pobre come galinha, um dos dois está doente.
    Quando Outubro for erveiro, Guarda para Março o palheiro.
    Quando se declara a guerra, o Diabo alarga o Inferno.
    Quando um burro zurra, os outros abaixam as orelhas.
    Quando um cai, todos o pisam.
    Quando vem Março ventoso, Abril sai chuvoso.
    Quanto maior a nau, maior a tormenta.
    Quanto mais alto se sobe, maior o trambolhão.
    Quanto mais barato estiver o pão, melhor canta o coração.
    Quanto mais conheço os homens, mais gosto dos cães.
    Quanto mais depressa, mais devagar.
    Quanto tens, quanto vales.
    Queijo com pão faz homem são.
    Queimada a casa, acudir com água.
    Queira ou não queira, o burro há-de ir à feira.
    Quem a boa árvore se encosta, boa sombra o acolhe.
    Quem a muitos há-de manter, muito há-de ter.
    Quem abana, nem sempre cai.
    Quem acompanha com coxo, ao terceiro dia coxeia.
    Quem ama a Beltrão, ama o seu cão.
    Quem anda à chuva, molha-se.
    Quem ao comer sua, ao trabalho amua.
    Quem ao moinho vai, enfarinhado sai.
    Quem aos vinte não é, aos trinta não tem, aos quarenta não é ninguém.
    Quem bebe no S. Martinho (11/11), faz de velho e de menino.
    Quem bem ama não esquece.
    Quem bem nada não se afoga.
    Quem boa cama fizer, nela se há-de deitar.
    Quem brinca com o fogo queima-se.
    Quem cabritos vende e cabras não tem, dalgum lado lhe vem.
    Quem caça de coração é o dono do furão.
    Quem cala, consente.
    Quem cansa sempre alcança.
    Quem canta antes d' almoço, chora antes do Sol posto.
    Quem canta, seu mal espanta.
    Quem casa filha, depenado fica.
    Quem casa, quer casa.
    Quem com farelos se mistura, porcos o comem.
    Quem com ferros mata, com ferros morre.
    Quem com os braços não pode, com os dentes acode.
    Quem com porcos sonha, até o mato lhe ronca.
    Quem come carne na vespera de Natal, ou é burro ou animal.
    Quem come fel, não pode cuspir mel.
    Quem compra barato, compra duas vezes.
    Quem compra terras, compra guerras.
    Quem confessa a verdade, não merece castigo.
    Quem conhece o seu Coração, desconfia dos seus olhos.
    Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto.
    Quem convida de véspera, não quer que vá à festa.
    Quem corre por gosto, não cansa.
    Quem dá aos pobres, empresta a Deus.
    Quem dá e volta a tirar ao Inferno vai parar.
    Quem dá o pão, dá a educação.
    Quem dá o que tem, a pedir vem.
    Quem deixa o certo pelo incerto, ou é tolo ou pouco esperto.
    Quem desconfia, não é de confiar.
    Quem desdenha quer comprar.
    Quem deve a Pedro e paga a Gaspar, volta a pagar.
    Quem dívidas não tem, com a sua consciência está bem.
    Quem diz tudo o que quer, ouve o que não gosta.
    Quem é desconfiado não é sério.
    Quem é pobre não tem vícios.
    Quem é surdo, guarda segredos.
    Quem em Abril não varre a eira e em Maio não rega a leira, anda todo o ano em canseira.
    Quem em Janeiro lavrar, tem sete pães para o jantar.
    Quem em Julho ara e fia, Ouro cria.
    Quem em Maio não merenda, aos finados se encomenda.
    Quem em Maio relva, não tem pão nem erva.
    Quem em Março come sardinha, em Agosto lhe pica a espinha.
    Quem em novo não trabalha, em velho come palha.
    Quem em ruim terra nascer, sempre para ela há-de pender.
    Quem empresta não melhora.
    Quem encontrou sem muito procurar, é porque muito procurou sem encontrar.
    Quem espera sempre alcança.
    Quem espera, desespera.
    Quem está de fora, não racha lenha.
    Quem está mal, que se mude.
    Quem está vivo, sempre aparece.
    Quem estraga velho, paga novo.
    Quem fala no barco, quer embarcar.
    Quem faz mal, espere outro tal.
    Quem faz o que pode, a mais não é obrigado.
    Quem feio ama, bonito lhe parece.
    Quem guarda, acha; e quem cria, mata.
    Quem longe vai casar, ou é enganado ou vai enganar.
    Quem madruga, Deus ajuda.
    Quem mais alto sobe, ao mais baixo vem parar.
    Quem mais jura, mais mente.
    Quem mal anda, mal acaba.
    Quem mal entende, mal conta.
    Quem me repreende, do mal me defende.
    Quem meu filho beija, minha boca adoça.
    Quem muitas estacas estancha, alguma lhe há-de pegar.
    Quem muito apalpa pouco acerta.
    Quem muito chora, pouco mija.
    Quem muito dorme pouco aprende.
    Quem muito fala, pouco aprende.
    Quem muito se abaixa, o cu se lhe vê.
    Quem namora pelo fato, leva o Diabo ao contrato.
    Quem não aparece, esquece.
    Quem não arrisca, não petisca.
    Quem não chora não mama.
    Quem não come por ter comido, não é mal de grande perigo.
    Quem não confia, não é de confiar.
    Quem não cria, não tosquia.
    Quem não debulha em Agosto, debulha com mau rosto.
    Quem não deve, não teme.
    Quem não estorva, ajuda.
    Quem não estraga não estreia.
    Quem não governa a lenha, não governa a casa que tenha.
    Quem não lerda não medra.
    Quem não pede, não o ouve Deus.
    Quem não quer ser lobo, não lhe vista a pele.
    Quem não sabe ser caixeiro, que feche a loja.
    Quem não sabe, é como quem não vê.
    Quem não se fartou no comer, não se farta no lamber.
    Quem não se ri ao mês, ou é tolo ou quem o fez.
    Quem não se sente, não é filho de boa gente.
    Quem não tem bois, não promete carrada.
    Quem não tem bois, ou antes ou depois.
    Quem não tem cão caça com gato.
    Quem não tem dinheiro não tem vícios.
    Quem não tem marido, não tem amigo.
    Quem não tem padrinho, morre Moiro.
    Quem não tem vergonha todo o mundo é seu.
    Quem o alheio veste na praça o despe.
    Quem o inimigo poupa, nas mãos lhe morre.
    Quem parte e reparte e fica com a pior parte, ou é tolo ou não tem arte.
    Quem pássaros receia, milho não semeia.
    Quem pede a Pedro e paga a Gaspar, volta a pagar.
    Quem pega por moça, perde por força.
    Quem planta no Outono, leva um ano de abono.
    Quem poda em Março, vindima no regaço.
    Quem porfia, mata caça.
    Quem pouco sabe, depressa o reza,
    Quem primeiro alça, primeiro calça.
    Quem quer bom ervilhal, semeia-o antes de Natal.
    Quem quer festa, sua-lhe a testa.
    Quem quer sopas gordas, vaca nelas.
    Quem quer, vai; quem não quer, manda.
    Quem quiser bolota que a trepe.
    Quem quiser fazer uma viagem em paz, não leve mulher, nem cão, nem rapaz.
    Quem quiser luxo, que lhe custe.
    Quem quiser o alho cachapernudo, plante-o no mês do Entrudo.
    Quem sabe do barco é o barqueiro.
    Quem sabe falar, evita guerrilhar.
    Quem sai aos seus não degenera
    Quem saiba e pense, vence e convence.
    Quem se deserda antes que morra, merece uma cachaporra.
    Quem se mete por atalhos, mete-se em trabalhos.
    Quem se pica cardos come.
    Quem se quer ver sempre se encontra.
    Quem se rala morre cedo.
    Quem se veste de ruim pano, veste-se duas vezes por ano.
    Quem semeia ventos, colhe tempestades.
    Quem seu amigo quiser conservar, com ele não há-de negociar.
    Quem só mata, morre cedo.
    Quem só uma ovelha tem, mil lobos a comem.
    Quem te avisa, teu amigo é.
    Quem tem amigos, não morre na cadeia.
    Quem tem amores, tem dores.
    Quem tem boca não manda soprar.
    Quem tem boca, vai a Roma.
    Quem tem calos, não se mete em apertos.
    Quem tem capa sempre escapa.
    Quem tem cu tem medo.
    Quem tem filhos tem cadilhos.
    Quem tem fome, cardos come.
    Quem tem medo fica em casa.
    Quem tem Saúde e Liberdade é rico e não sabe.
    Quem tem sorte ao jogo não tem sorte aos amores.
    Quem tem telhados de vidro, não deve atirar pedras ao do vizinho.
    Quem tem unhas é que toca viola.
    Quem tem vagar, faz colheres.
    Quem torto nasce, tarde ou nunca se endireita.
    Quem tudo quer vingar, cedo há-de acabar.
    Quem tudo quer, tudo perde.
    Quem vai à guerra, dá e leva.
    Quem vai ao mar avia-se em terra.
    Quem vai para a cama sem ceia, toda a noite rabeia.
    Quem vê caras não vê corações.
    Quem vier atrás, feche a porta.
    Quem vive no convento é que sabe o que se passa lá dentro.
    Querer é poder.
    Queres pasmar o teu vizinho? Lavra e esterca p'lo S. Martinho.
    Queres um conselho, pede-o ao velho.